VI Marcha dos Povos Indígenas de Roraima

VI Marcha dos Povos Indígenas de Roraima
“Nenhum direito a menos”
Por Ananda Machado | Colaboradora

Fonte: acervo pessoal

O Conselho Indígena de Roraima (CIR), organização indígena criada para defender os direitos e interesses dos povos indígenas de Roraima com outras organizações indígenas de Roraima, entidades sociais e indigenistas, sindicatos, coordenações regionais e os demais parceiros e colaboradores organizaram e articularam a 6ª Marcha dos Povos Indígenas de Roraima, ato em alusão ao Dia Internacional dos Povos Indígenas, realizada na quarta-feira, 9 de agosto, em Boa Vista/RR.

Com a participação de aproximadamente mil pessoas, entre indígenas e não indígenas realizamos a 6ª Marcha dos Povos Indígenas de Roraima, ato realizado desde o ano de 2012 por iniciativa desta organização indígena e que ao longo desses anos, também foi abraçada pelas demais organizações indígenas de Roraima, movimentos sociais e demais defensores da causa indígena e social.
Anualmente, destacamos temas na área da saúde, educação, territorial, meio ambiente e outros que são de direito dos povos indígenas e trabalhadores brasileiros, porém, esse ano, o foco foi em defesa dos nossos direitos indígenas, especialmente, os artigos 231 e 232 da Constituição Federal Brasileira de 1988, assim como os direitos garantidos nas instâncias internacionais, tais como a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas e outros direitos originários conquistados ao longo dos 517 anos.

A nossa 6ª Marcha, em comunhão com as marchas regional e nacional levou às ruas de Boa Vista, a grande preocupação com os direitos indígenas, gravemente, ameaçados e violados pelo Estado brasileiro. No que trata sobre a Ação 3388/RR (condicionantes do caso Raposa Serra do Sol) pedimos providências contra a reversão dos direitos indígenas atentados pelo Presidente da República, Michel Temer, que impôs regras inconstitucionais estabelecidas pelo Parecer da AGU Nº001/2017-AGU.
Também manifestamos repúdio foi contra as PLs, PECs e outras iniciativas que tentam retroceder e violar nossos direitos indígenas e os direitos dos trabalhadores brasileiros, tais como a PL 1610/96 que visa à mineração em terras indígenas, a insistente PEC 215, o Marco Temporal, as construções de hidrelétricas em nossos territórios (UH de Bem Querer e Tamanduá), a reforma da previdência e outros que ameaçam os direitos dos cidadãos brasileiros.
Apesar do cenário dos últimos tempos, um cenário de retrocessos de direitos, mas, nós, povos indígenas de Roraima, com o apoio dos nossos parceiros e amigos da causa indígena e social, conseguimos realizar com sucesso mais uma vez a nossa Marcha, envolvendo os principais protagonistas desse movimento, Tuxauas, coordenadores regionais, mulheres, jovens, crianças, anciãos e anciãs, professores, estudantes e outros membros comunitários que estão no dia a dia da luta em seus territórios tradicionais, fortalecendo a autonomia, a coletividade, o trabalho sustentável, a valorização dos conhecimentos e costumes tradicionais, sobretudo, na luta pela preservação do nosso meio ambiente, dos recursos naturais e proteção da mãe terra.
Para garantir a efetiva realização da Marcha, nos últimos dois meses, nos reunirmos em seis encontros para discutir, propor e construir mais um momento de luta e isso só foi possível, graças a dedicação, ao esforço e acima de tudo, ao compromisso.
A luta continua e unidos venceremos!
Organizações indígenas:
Conselho Indígena de Roraima-CIR
Hutukara Associação Yanomami – HAY, Associação dos Povos Indígenas Wai Wai – APIW, Associação dos Povos Indígenas da Terra São Marcos – APITSM, Associação do Povo Ye`kuana do Brasil – APYB, Organização das Mulheres Indígenas de Roraima – OMIR, Organização dos Professores Indígenas de Roraima – OPIRR, Organização dos Índios da Cidade – ODIC, União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira – UMIAB, Conselho do Povo Indígena Ingaricó – COPING, Grupo de Acompanhamento e Proteção Indígena – GAPI e Associação Cultural dos Povos Indígenas do Estado de Roraima – KAPOI.
Entidades Sociais, Sindicatos e Instituições Indigenistas:
Conselho Federal de Psicologia – CFP, Conselho Regional de Psicologia 20º Região – CRP-20, Diocese de Roraima, Universidade Federal de Roraima – Insikiran, Frente Sindical, Popular e Lutas do Estado de Roraima, Seção Sindical dos Docentes da Universidade Federal de Roraima – SESDUF/RR, Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – ANDES/Norte, Educação Fiscal da Secretaria de Fazenda do Estado de Roraima, Instituto Socioambiental – ISA, Conselho Indigenista Missionário – CIMI, Laced – Museu Nacional – UFRJ, Associação Bem-Te-Vi Diversidade, Fundação Nacional do Índio – FUNAI e Secretaria Especial de Saúde Indígena – SESAI.

Deixe uma resposta

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo