multilinguismo

Línguas dravídicas faladas na Índia existem há 4.500 anos

Nova Deli – As línguas dravídicas, faladas por 220 milhões de pessoas na Índia e países vizinhos, existem há 4.500 anos, descobriram investigadores do instituto Max Planck, que esperam compreender melhor como surgiram e se disseminaram, informou a Lusa

Fundamentais para perceber a dispersão dos seres humanos a partir de África, os 80 idiomas e dialectos da família dravídica são falados no sul e centro da Índia mas também no Paquistão, Afeganistão e Nepal.

As quatro línguas mais faladas têm tradições literárias seculares, a mais antiga dos quais é o Tamil, cuja evolução está documentada em poesia, canções, textos religiosos e seculares.

“O estudo das línguas dravídicas é crucial para perceber a pré-história na Eurásia, uma vez que influenciaram outros grupos de línguas”, notou a linguista Annemarie Verkerk, do Instituto Max Planck para as Ciências da História Humana.

Continue lendo

Inauguração da Cátedra UNESCO sobre Multilinguismo

O português merece mais protagonismo

São cerca de 4400 os alunos a frequentar aulas oficias de português na Alemanha. Mas o interesse está a aumentar.

Maria Manuela Krühler partilha esta convicção, há mais quem procure saber da língua e isso “deve-se ao crescente interesse por Portugal, mas também pelo Brasil, pela música, pela dança e muito também pelos países africanos de língua oficial portuguesa”. A professora de português e de cultura portuguesa da Universidade Livre de Berlim reconhece que a língua “devia estar mais presente nos currículos como lingua estrangeira à semelhança do espanhol, que conseguiu consolidar uma posição muito importante, sendo por vezes mais estudado do que o francês”. Continue lendo

Universidade venezuelana promove programa de formação de professores de português

A Universidade Pedagógica Experimental Libertador (UPEL) criou um programa piloto para formar professores de língua portuguesa, na cidade venezuela de Maracay (100 quilómetros a oeste de Caracs) e responder à crescente procura do ensino do português no país.

“Estamos entusiasmados porque daremos resposta a uma necessidade que está contemplada na Lei de Educação de Venezuela, para incluir a língua portuguesa desde o ensino primário venezuelano”, explicou Joyce Muñoz.

Em declarações à Agência Lusa, a coordenadora do ensino de línguas na UPEL explicou que “a formação de professores de português é um projeto novo, único na Venezuela”.

“Nas outras universidades os alunos formam-se como professores de inglês e francês, e ficam com algum domínio de outras línguas, aqui somos pioneiros na atualização pedagógica e por isso impulsamos este projeto”, frisou. Continue lendo

O inglês… mesmo que sem acordos ortográficos

Na Eurovisão tivemos a busca efémera do sucesso a sobrepor-se à soberania da língua. Sinal dos tempos…

Continue lendo

O Google Maps está agora disponível em 39 novos idiomas

Tenha em mente que há um total de 6.909 idiomas vivos registrados no catálogo Ethnologue. Muitas das línguas que o Google escolheu para adicionar hoje são faladas por grandes populações. O suaíli, em particular, tem 8% do continente africano falando, enquanto o turco é falado por 9% das pessoas na Europa.

O Google Maps está agora disponível em 39 novos idiomas O Google Maps agora está disponível em 39 novos idiomas, anunciou a empresa hoje em um post no blog . Esses idiomas – incluindo o africâner, o dinamarquês, o filipino, o hebraico, o islandês, o mongol, o sérvio, o eslovaco, o suaili, o turco e o vietnamita, para citar alguns – são falados por cerca de 1,25 bilhão de pessoas. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo