Literatura

Nanjing candidata-se a “cidade da literatura” da UNESCO

Fonte: Portuguese

Fonte: Portuguese

Nanjing, a capital da província chinesa de Jiangsu, espera poder vir a ser designada “cidade da literatura” pela UNESCO, de acordo com Long Xiang, vice-secretário do município da cidade chinesa.

Se for selecionada, Nanjing poderá tornar-se na primeira cidade chinesa a receber a designação, passando a ser parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO. Edimburgo foi a primeira cidade a ser escolhida.

Nanjing é um dos maiores focos de herança histórica e literária da China, contendo um local designado como herança cultural e 4 itens de herança cultural intangível, constatou Long durante o Fórum Internacional de Diversidade Literária e Desenvolvimento Sustentável, realizado na Universidade de Nanjing a 15 de maio.

Com uma história de 2500 anos, 450 dos quais enquanto capital da China, Nanjing é reconhecida enquanto cidade da poesia, do budismo e um centro literário da China, segundo relata o Yangtze Evening Post. Long disse ao jornal que Nanjing conta agora com 15 bibliotecas públicas, 100 centros culturais e 300 livrarias.

Enquanto centro de produção literária, Nanjing tem atraído vários poetas e escritores ao longo dos anos. A lista de poetas proeminentes da cidade inclui nomes como Li Bai (um dos expoentes máximos da poesia chinesa), Cao Xueqin, autor do romance clássico “Sonho do Pavilhão Vermelho”, e mesmo autores contemporâneos como Lu Xun e Ba Jin.

A Rede de Cidades Criativas da UNESCO foi lançada em 2004 para atribuir reconhecimento a cidades que se destaquem em um dos sete ramos criativos: arte popular, design, cinema, gastronomia, literatura, música e artes “media”. Até à data, a UNESCO designou 20 cidades no campo da literatura, incluindo Cracóvia, Edimburgo, Heidelberg, Cidade de Iowa, entre outras.

Fonte: Portuguese

Gociante Patissa: Em Angola línguas nacionais tem um “status” secundário

Política linguística deve ser revista para dar um estatuto as outras línguas nacionais, reivindica escritor e linguista Gociante Patissa. Para ele, promoveu-se o português e descurou-se das outras, promovendo a exclusão.

Fonte: DW

Fonte: DW

Autor de vários livros, entre poesia, crónicas e contos, preocupa-se também com a valorização das línguas angolanas. E dá especial atenção ao umbundo, sua língua materna. A língua oficial em Angola é o português, adotada como tal a partir da independência, em 1975. Entretanto, a seu ver, desde então as outras línguas foram sendo marginalizadas. A DW África conversou com Gociante Patissa sobre o assunto.

DW África: É linguista e o seu primeiro prémio deveu-se ao seu empenho na divulgação do Umbundo. Alia sempre a sua formação às suas obras?

Gociante Patissa (GP): É inevitável por um lado. Por outro lado, sou um ser insatisfeito em relação à questão da política linguística em Angola. Penso que criamos um monstro chamado língua portuguesa e descuramos do resto. E às vezes compreendo, penso que houve uma necessidade  ao longo dessas décadas de conseguir um equilíbrio enquanto nação, fazendo desse conjunto de nações uma só, já que por detrás da língua há outros fatores. Mas é altura de repensarmos, há pessoas que vão nascer, crescer  e morrer sem lhes fazer falta a língua portuguesa. Então, uso as técnicas científicas para ao meu nível promover a minha língua, o que é difícil porque temos ainda o problema da dualidade de grafias. Não entendo porque uma língua tem de ter duas grafias diferentes, vamos falar da colonização e da igreja, mas as línguas são anteriores a colonização e a igreja. O católico e o protestante falam a mesma coisa, mas quando chega a hora de codificar codificam diferente. Isso depois tem como consequência o desencorajamento da produção em línguas nacionais, como é que vão ler?

DW África: Ainda sobre a política linguística em Angola, no que se refere a promoção das outras línguas nacionais o que gostaria de ver melhorado?

GP: Muita coisa, primeiro é a questão da política do Estado e o Estado tem de assumir isso, mais do que tem feito até agora. Sei que há um estudo de harmonização. Em 2012 fui entrevistado por uma jornalista inglesa e soube através dela que tinha sido encomendado um estudo a um académico africano para a harmonização ortográfica das línguas de matriz Bantu. Até hoje, volvidos 20 anos, não se sabe pelo menos o ponto de situação. Depois é a maneira como se olha [para elas], o status secundário que é atribuído as línguas nacionais. O jornalismo, por exemplo, é feito em língua portuguesa, mas quando se fala em jornalismo em línguas nacionais na verdade não é jornalismo, é tradução a quente do texto em português e as deturpações que disso advém. Portanto, é preciso dar as línguas os estatutos que elas merecem. Tem de se fazer muita coisa, estou a reclamar do Estado porque ele é o decisor e quem superintende ao nível macro as políticas. Mas depois há também há questão do cidadão, por exemplo, na rua, eu falo muito bem o umbundo melhor até que o português, se eu saudar uma varredora de rua [em umbundo] ela vai-me automaticamente responder em português, porque ela interpreta que lhe estou a desqualificar. Naturalmente há algumas províncias que dão algumas expetativas, eu gosto de ir ao Humabo, lá há menos complexos do que há em Benguela e em outras províncias, mas ainda assim não satisfaz. É preciso dar um suporte a isso. Por dia a televisão tem cerca de meia hora de noticiário em umbundo, o que é meia hora? É nada.

Continuar lendo

“Rabhia”, o premiado livro de Lucílio Manjate

Fotografia: KUPHALUXA|MOVIMENTO LITERÁRIO MOÇAMBICANO

Fotografia: KUPHALUXA|MOVIMENTO LITERÁRIO MOÇAMBICANO

“Rabhia” descreve uma história de amor e de morte. “Uma história de guerra e de heróis, uma história de conspirações e do crime organizado, de tradições que chocam com a modernidade, de confronto de gerações.” Com esse livro, Manjate venceu a primeira edição do Prémio Literário Eduardo Costley-White, da Fundação Luso-americana para o Desenvolvimento (FLAD).

 

 

Confira a reportagem na íntegra: 

Moçambicano vence Eduardo Costley-White

(Per)cursos (inter)disciplinares em letras – Linguística e Literatura

conceitual

De 21 a 25 de agosto de 2017 acontecem quatro eventos coordenados, no Rio Grande do Sul, que se unem em torno de uma temática comum: discutir os “(Per)cursos (inter)disciplinares em Letras” face aos paradoxos da atualidade. Organizados pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), por meio do Programa de Pós-Graduação em Letras – Mestrado e Doutorado, dos Cursos de Letras e de Comunicação Social, e o Grupo de Trabalho Linguística e Cognição, da Associação Nacional de Pós-Graduação em Letras e Linguística (ANPOLL) são eles:

  • VIII Conferência linguística e cognição
  • VIII Colóquio nacional leitura e cognição
  • II Simpósio internacional de leitura, literatura e mídia
  • XVIII Semana acadêmica de letras

O objetivo geral dos eventos é contribuir para a reflexão conjunta e a articulação entre pesquisadores da área de Letras – Linguística e Literatura – e de suas interfaces, buscando mapear percursos traçados nas últimas décadas, assim como projetar novos caminhos para que a área continue contribuindo para o desenvolvimento educacional, científico e artístico.  Os investigadores interessados em submeter trabalhos têm até 31 de maio. Continuar lendo

A 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, de 26 de agosto a 04 de setembro

bienal

A 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo acontecerá de 26/Agosto a 04/Setembro de 2016 no Pavilhão de Exposições do Anhembi.

O evento é palco para o encontro das principais editoras, livrarias e distribuidoras do país, cerca de 480 marcas apresentando seus mais importantes lançamentos para aproximadamente 700 mil visitantes em um espaço total de 60 mil m².

Além da grande oferta de livros, a Bienal do Livro ainda conta com uma programação cultural abrangente, mesclando literatura, gastronomia, cultura, negócios e muita diversão!

 Quando Acontece?

De 26 de Agosto a 04 de Setembro de 2016
Pavilhão de Exposições do Anhembi
Av. Olavo Fontoura, 1.209 – Santana
CEP 02012-021 São Paulo – SP

Horário de Visitação:

Segunda à sexta-feira, das 9h às 22h (com entrada até as 21h)
Sábados e domingos, das 10h às 22h (com entrada até as 21h)
Dia 4 de Setembro, das 10h às 21h (com entrada até às 19h)

 Fonte: Site Oficial 

III Jornada Literária de Autoria Negra: percursos contemporâneos, na UnB

auor III JORNADA LITERÁRIA DE AUTORIA NEGRA: PERCURSOS CONTEMPORÂNEOS

Universidade de Brasília, 1º de junho de 2016.

Auditório do Instituto de Letras – Campus Darcy Ribeiro.

 Entre o racismo estrutural e a permanência do discurso da “democracia racial”, as populações negras buscam construir formas de falar de si e do mundo. Nas últimas duas décadas, verificou-se um aumento de visibilidade da representação negra na sociedade brasileira – seja nos meios de comunicação de massa, seja nas artes, na música e na literatura, seja no campo acadêmico – e seu caráter “marginal” diante das formas de expressão dominantes vem sendo fortemente questionado. A III Jornada Literária de Autoria Negra: Percursos Contemporâneos propõe um espaço de diálogo entre a universidade e escritoras e escritores negros para tratar dos problemas da perspectiva, da linguagem, do gênero, da edição e da recepção desta produção.

Continuar lendo

Facebook

Visite site Oficial

1ºENMP (clique na imagem)

Receba o Boletim

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Nossas publicações

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo