Línguas Indígenas

O PERU APROVA A POLÍTICA NACIONAL DE LÍNGUAS ORIGINARIAS, TRADIÇÃO ORAL E INTERCULTURALIDADE

Fonte: acervo pessoal

Por Gerardo Chinchay – colaborador

No dia 9 de agosto, como parte da celebração do Dia Internacional dos Povos Indígenas, o Presidente da República do Peru, Pedro Pablo Kuczynski aprovou, através do decreto supremo N° 005-2017-MC, a “Política Nacional de Lenguas Originarias, Tradición Oral e Interculturalidad”, que visa a garantir os direitos linguísticos dos falantes de línguas indígenas no territorio nacional incorporando mudanças e melhorias no funcionamento da administração pública e serviços públicos.

Continue lendo

Personagem Mafalda ‘aprende’ sua primeira língua indígena: guarani

Este é o 27º idioma que a personagem de Quino “aprende”

Fonte: Mídia Max

A personagem Mafalda, do argentino Quino, apresentou-se no dia 30/05, em Assunção, no Paraguai, falando guarani, língua oficial do país, junto ao espanhol. Com isso, a personagem aprende seu 27º idioma.

É a primeira vez que Mafalda fala uma língua indígena desde que foi criada, em 1964, segundo explicou sua tradutora, María Gloria Pereira, durante ato oficial no qual a personagem e seu novo idioma foi apresentado, na embaixada Argentina no Paraguai.

Continue lendo

Indigenous language class lets instructors find their voices

‘Their medicine can be culture and language,’ instructor says

Students at the Canadian Indigenous Languages and Literacy Development Institute perform a seven-point prayer before beginning their play. (CBC )

Charis Auger plays the role of a Cree person questioning their history and gender identity in a small classroom theatre production at the University of Alberta.

Auger’s character is living on 118th Avenue in Edmonton. In the play, the character picks up her cousin and the two urban Cree women drive to meet their grandmother and aunt on reserve. But the trio cannot communicate in the same language, causing heated arguments.

Continue lendo

Aplicaciones móviles permiten conocer dos lenguas indígenas amazónicas [TECNOLOGÍA HOY]

El Instituto de Investigaciones de la Amazonía Peruana (IIAP) tiene una original estrategia para revitalizar las lenguas amazónicas que están en peligro de desaparecer, golpeadas por la modernidad y la depredación de los bosques.

Los sistemas son interactivos y cuentan con audios que favorecen el aprendizaje de las lenguas mencionadas. Se tienen registros del alfabeto, números, animales, colores, partes del cuerpo, frases comunes y más.

[Lee también: Uso de la tecnología para reconstrucción facial en 3D [TECNOLOGÍA HOY]]

Según datos del IIAP, en el territorio amazónico del Perú, que abarca 750 mil kilómetros cuadrados, habitan pueblos indígenas que se comunican en 43 lenguas amazónicas oficiales. 27 de estas lenguas se hablan en Loreto.

La expansión del español, enfermedades y el aumento de invasores en la Amazonía (petrolero y traficante de drogas), así como la tala y minería ilegal, debilitan seriamente estas lenguas del Perú.

Fonte: TV Peru

MORÎÎPE ERE’PAMÎ PAINÎKON: evento de abertura das aulas de Macuxi Moroopai Wapichana Esenupa

Fonte: Divulgação

O evento aconteceu no auditório Alexandre Borges (UFRR) das 8 às 12 horas do dias 06 de maio de 2017. Incluiu a apresentação dos alunos, dos professores, das organizações indígenas presentes. Foi apresentado pela professora Ananda Machado um breve histórico do programa que começou em 2010 e as perspectivas de trabalho do Programa de Valorização das Línguas e Culturas Macuxi e Wapichana. Estiveram presentes os coordenadores da Organização dos Indígenas da Cidade (ODIC)- Eliandro Pedro de Souza, do Conselho Indígena de Roraima (CIR) Enock Taurepang, da Divisão de Educação indígena (DIEI) Milton Dário Missias Melquior, da Associação dos Povos Indígenas da Terra São Marcos (APITSM) Alzemiro Tavares.

Continue lendo

CineOP 2017: Noite de abertura é marcada por homenagens e pelo passado glorioso da Cinédia

OURO PRETO/MG 22.06.2017 – CINEOP – MOSTRA DE CINEMA DE OURO PRETO – Filme de Abertura. Desarquivando Alice Gonzaga. Local: Cine Vila Rica. Foto: Leo Lara/Universo Producao

A primeira imagem projetada na tela do Cine Vila Rica logo no início da cerimônia de abertura da tradicional Mostra de Cinema de Ouro Preto, na noite de quinta-feira (22), foi o rosto em primeiro plano da socióloga indígena Avelin Buniacá Kambiwá. Na face da mulher, uma lágrima escorre pela pintura de guerra feita com carvão e urucum enquanto ela fala sobre as lutas dos povos indígenas para sobreviver no Brasil ao longo dos últimos cinco séculos.

O brado de resistência de Kambiwá encontrou par e ressonância temática na poderosa performance musical do coletivo Negras Autoras, que usou a força do canto e da percussão para abordar a emergência da questão negra e de gênero no país.

Dedicada à noção de cinema como patrimônio, a CineOP chega a sua 12ª edição em 2017 com a proposta de debater a representação de grupos historicamente marginalizados ao longo de décadas de produção audiovisual no país. A pergunta “Quem conta a História no cinema brasileiro?” é o mote da mostra neste ano, que já em sua noite de abertura propôs um debate sobre o chamado “lugar de fala” e sobre protagonismo e representação de minorias na sétima arte.

Continue lendo

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo