Línguas Indígenas

IX Colóquio Internacional “As Amazônias, as Áfricas e as Áfricas na Pan-Amazônia

As Amazônias e as Áfricas ensejam uma visão panorâmica de mundos marcados por uma grande heterogeneidade étnica, linguística e cultural. O desafio de transitar pelas temáticas que envolvem essas macro-regiões vem sendo assumido em diferentes edições do Colóquio Internacional que ora apresentamos. O evento tem se constituído em um fórum de discussões para inquietações acadêmicas, para o desafio de lidar com os conteúdos de Amazônia e África em sala de aula, mas também para os embates cotidianos sobre a questão do uso e posse da terra nessas regiões, bem como para a luta contra todo tipo de preconceito e pelo reconhecimento da diferença como elemento chave para a construção dos direitos à coisa pública e ao espaço público em condições dignas de cidadania.

Ao longo de quase uma década, o evento tem buscado não apenas o fortalecimento dos grupos de pesquisa existentes e o surgimento de redes interinstitucionais de pesquisas sobre as Áfricas e as Amazônias, mas também a ampliação dos debates e ações sobre a aplicação dos dispositivos constantes das leis 10.639, de 9 de janeiro de 2003 e 11.645, de 10 de março de 2008, que tornam obrigatório o ensino de Arte e História da África, dos afrodescendentes e dos povos indígenas nos diferentes níveis de ensino. Continue lendo

I Seminário de Línguas Indígenas do Sul da Mata Atlântica

Nos dias 13 e 14 de novembro acontecerá na UFSC o I Seminário de Línguas Indígenas do Sul da Mata Atlântica: Guarani, Kaigang e Xokleng, evento promovido pelo curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica (UFSC) e pelo Programa de Pós-graduação em Linguística (UFSC). O objetivo do Seminário é promover diálogos/debates/falas a respeito das políticas que envolvem as línguas indígenas nos cursos de Licenciatura Intercultural Indígena bem como na esfera acadêmica de uma forma geral.
Teremos conferências, mesas-redondas e grupos de trabalho com a participação de professores e estudantes indígenas das três etnias.

Venha participar e aprender com todas elas e eles!

Fonte: EventBU

Simpósio Povos Indígenas Falantes de Línguas Guarani: HISTÓRIA E ETNOGRAFIA CONTEMPORÂNEAS

O Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), do Museu Nacional/UFRJ, convida para o Simpósio Povos Indígenas Falantes de línguas Guarani: História e Etnografia Contemporâneas, que acontecerá no dia 08 de novembro de 2017, das 9h às 17h, na Sala Roberto Cardoso de Oliveira, no Museu Nacional.

O Simpósio, organizado pelo Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (LACED/PPGAS/MN/UFRJ), pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados (PPGH-UFGD) e pelo Centro de Investigaciones Historicas y Antropológicas (CIHA, Bolívia), tem como objetivo central refletir acerca da história e da etnografia contemporâneas dos povos indígenas falantes de línguas Guarani na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai, recolocando, por um lado, a questão da diversidade étnica entre esses povos e, por outro, a construção pela antropologia moderna do Guarani como uma supra categoria étnica homogeneizante.

Continue lendo

Há 119 anos, morria José Vieira Couto de Magalhães

José Vieira Couto de Magalhães, fundador de Várzea Grande

A Província de Minas Gerais foi o berço de grande número de brasileiros ilustres, nos diversos ramos do saber humano: ciências, letras e artes cultivadas com muito amor e proveito pelos mineiros desde os tempos coloniais do Brasil. Entre os varões notáveis dessa Província, destaca-se a fisionomia original e distinta do Dr. José Vieira Couto de Magalhães que nasceu no dia 1 de novembro de 1837 (Quarta-feira) na cidade de Diamantina, tendo por pai o Capitão Antônio Carlos de Magalhães e por mãe D. Teresa do Prado Vieira Couto.

É de origem paulista a família do General Couto de Magalhães, pois na linha direta de seus ascendentes conta o nome do Mestre de Campo (Este posto corresponde à graduação de brigadeiro), Tomé Antunes do Couto, que foi enviado de Portugal em comissão científica e militar para esta Província. Aqui se estabeleceu, constituiu família e só mais tarde, no desempenho de seu cargo na demarcação de terras, passou-se para a Província de Minas Gerais.

Continue lendo

Chamada para publicação Revista Brasileira de Linguística Antropológica

A Revista Brasileira de Linguística Antropológica (RBLA) completará 10 anos em 2018. O número 10 (volumes 1 e 2) será um número comemorativo e temático: “Línguas e culturas dos  povos indígenas de Rondônia: passado e presente”. Prazo para submissão de artigos é 31 de março de 2018.

Baixe a Circular de Divulgação

Informações: asacczoe@gmail.com

Fonte: divulgação interna

Líderes indígenas reclamam de cortes no orçamento para programas educacionais

Representantes indígenas e da sociedade civil pediram apoio dos deputados para reverter o quadro de falta de investimentos em educação

Lideranças de várias etnias que participam em Brasília de um forum nacional de educação indígena estiveram na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, nesta terça-feira (17), para reivindicar que o tema seja tratado com prioridade pelo governo federal.

A maior preocupação é com os cortes no Orçamento, que já estão afetando várias políticas públicas destinadas aos índios. Segundo os representantes da sociedade civil na audiência pública, a perspectiva para 2018 não é animadora.

Dados do Ministério da Educação revelam a precariedade do sistema, disseram os líderes. Pelo Censo da Educação Básica de 2016, há 3,2 mil escolas indígenas no País, nas quais o ensino é em português e na língua da etnia da região, com 18 mil professores e 254 mil alunos. Mas 30% delas não têm prédio próprio e ocupam espaços improvisados; 57% não têm água tratada e 48% estão sem esgoto.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo