Línguas de sinais

Afinal, quais são os desafios para a formação educacional de surdos no Brasil?

Tema da redação do Enem 2017 gerou discussão e pegou candidatos de surpresa

Novos aplicativos para crianças e surdos estão disponíveis

O Ministério da Educação criou dois novos aplicativos para celulares que podem ser baixados gratuitamente. O TV Escola Criança tem conteúdo voltado para meninas e meninos entre seis e oito anos de idade. Já o Primeira Mão é um jornal bilíngue, na Língua Brasileira de Sinais (Libras) e português, com as principais notícias do país e do mundo. Ambos já estão disponíveis para download nas lojas virtuais dos sistemas iOS e Android.

O aplicativo para as crianças contém toda a programação infantil da TV Escola, com produções educativas nacionais e estrangeiras, que instigam a curiosidade em diversas áreas do conhecimento. A navegabilidade é fácil e intuitiva. Continue lendo

Ronaldo Tenório, empreendedor digital: “O surdo vive como estrangeiro dentro de seu país”

Alagoano, escolhido pelo Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) um dos jovens mais inovadores do mundo, veio ao Rio para seminário no Museu do Amanhã.

“Tenho 31 anos, moro em Maceió e sou publicitário, com especialização em Comunicação Estratégica. Sempre gostei de misturar tecnologia e comunicação. Na faculdade, tive a ideia de facilitar a comunicação com os portadores de deficiência auditiva. Criei um aplicativo que faz a tradução para a Língua Brasileira de Sinais.”

Conte algo que não sei.

No Brasil, 70% dos deficientes auditivos têm dificuldade com o português. A gente aprende a ler e escrever pela fonética: vai ouvindo, falando e escrevendo. Como o surdo não tem a fonética, encontra dificuldades para relacionar a escrita ao som, e as palavras viram coisas soltas. A experiência da comunicação visual faz muito mais sentido. Continue lendo

Inventário Nacional da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) – levantamento on line

Acontece no Brasil, o Inventário Nacional da Lingua Brasileira de Sinais (LIBRAS), projeto executado pela parceria entre o IPOL e a UFSC,  em convênio com o IPHAN/MinC.

Nesse momento, está no ar a pesquisa on line para surdos e ouvitens falantes fluentes  da LIBRAS com um questionário muito fácil de ser preenchido, sendo que o questionário para surdos está todo em LIBRAS.

Já responderam cerca de 2.000 pessoas, mas o projeto quer alcançar ainda mais usuários da língua. Por isso, contamos com a sua colaboração e divulgação dos questionários. Abaixo você encontrará os links correspondentes.

Qestionário para surdos

Questionário para ouvintes

Lembramos que a coleta de dados através dos links será feita até dia 31/07/2017. Após essa data, a equipe do projeto entra em fase de tratamento e análise dos dados coletados.

Aplicativo Giulia – para tradução simultânea entre falantes de LIBRAS e Português

Instalado em um smartfone compatível, o aplicativo oferece aos seus usuários diferentes recursos para comunicação, tais como: localização, chat, alerta, babá, despertador.

Fonte: Projeto Giulia

#Librário: Jogo criado por alunos da Uemg facilita aprendizado de Libras

Aluna da Escola Estadual Ari da Franca, em Belo Horizonte, a jovem Helena Regina Carneiro, 15 anos, comemora a facilidade para se comunicar com os três colegas surdos que dividem com ela a sala do 1º ano do ensino médio. A utilização da Língua Brasileira de Sinais (Libras) ficou ainda mais fácil para Helena depois que a turma recebeu uma oficina do Librário: Libras para Todos, jogo criado por alunos da Universidade Estadual de Minas Gerais (Uemg), que está tornando mais acessível o aprendizado de Libras no Estado.

Desenvolvido no Centro de Estudos em Design e Tecnologia (CEDTec) da Escola de Design da Uemg, o Librário é um baralho de pares de cartas que contém os sinais de Libras e seus respectivos significados em português. Divertido e inclusivo, o jogo estimula o aprendizado da língua, colaborando para o processo de inclusão dos surdos. “Um ouvinte geralmente não tem dificuldade para aprender Libras, ao passo que oralizar um surdo é muito mais difícil, e nem todos conseguem”, explica a professora da Uemg e coordenadora do Librário, Rita Engler.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo