Línguas de imigração

Os descendentes que preservaram no Brasil uma língua que quase não se fala mais no Japão

Quando a cantora japonesa Megumi Gushi começou a cantar na língua original de Okinawa, a província onde nasceu, no sul do Japão, foi ao Brasil que ela veio para estudar o idioma.

“Ela veio para estudar um pouco a pronúncia, melhorar a dicção. Ela falava que aqui que estava a verdadeira língua okinawana”, explica Tério Uehara, presidente da Associação Okinawa de Vila Carrão, em São Paulo, uma das entidades que a recebeu por aqui. Megumi participou de diversos grupos folclóricos e conviveu com imigrantes idosos.

É que no Brasil a língua e a cultura do arquipélago se mantiveram vivas. Muitos dos imigrantes okinawanos conversam até hoje no idioma da região – considerado patrimônio cultural em perigo pela Unesco – e passaram a cultura para seus descendentes. Continue lendo

Há uma InFusão a acontecer no caldeirão cultural de Arroios

Nesta freguesia do centro de Lisboa, há um programa a decorrer que quer servir de exemplo para futuras políticas públicas de integração de imigrantes em Portugal. A saúde, a educação, o emprego, a cultura e a informação são as grandes prioridades.

Nigéria, Afeganistão, Nepal, China, Senegal, Síria, Paquistão, Bangladesh, Camarões. “Nós sabemos que aqui se falam quase 100 línguas. Até Tigrínia, a língua que se fala na Eritreia e que só é falada por cerca de cinco mil pessoas no mundo”, diz Sérgio Oliveira, técnico da Fundação Aga Khan que trabalha na Junta de Freguesia de Arroios.

Nesta freguesia do centro de Lisboa, dizem os últimos Censos, residem mais de 45% dos estrangeiros que moram na cidade, mas nem todas comunicam ou interagem facilmente. Por isso, um conjunto de associações quis criar um programa para “facilitar” a participação e integração de imigrantes na cidade.  Continue lendo

Derrubando Barreiras

Foto divulgação

Pesquisa desvela as línguas de imigração no Espírito Santo

A travessia do Atlântico era apenas o começo de uma epopeia para italianos, espanhóis, suíços, pomeranos, alemães, prussianos, poloneses e outros, que tinham como ponto fi nal da sua viagem algum lote de terra na então província do Espírito Santo, a partir de meados do século XIX. Dos navios às canoas, os imigrantes percorriam os leitos dos rios e depois desbravavam fl orestas, caminhando por alagadiços e abrindo picadas nas matas virgens, seguindo os passos de guias que os levavam até o terreno prometido. Isolados, pois os povoados fi cavam a quilômetros de distância, esses grupos aos poucos foram vencendo as adversidades da natureza, mas ainda enfrentam a difi culdade da língua.
Continue lendo

1º Concurso de Poesia e Conto em Hunsrückisch 2017

O projeto Inventário do Hunsrückisch (hunsriqueano) como Língua Brasileira de Imigração (IHLBrI), em elaboração pelo IPOL e projeto ALMA-H (Atlas Linguístico-Contatual das Minorias Alemãs na Bacia do Prata: Hunsrückisch), desenvolvido no Setor de Alemão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), tem a honra de convidar interessados a participarem do

1º Concurso de Poesia e Conto em Hunsrückisch 2017

As inscrições de poemas e/ou contos em Hunsrückisch vão até o dia 15 de dezembro de 2017. Mais detalhes se encontram no regulamento em anexo, em breve também disponível nos sites dos projetos e órgãos proponentes.

Baixe o Regulamento.

Lei confirma o Talian como segunda língua oficial de Caxias do Sul

Foto: Alessandro Valim/ Rádio Caxias

O decreto partiu do presidente da Câmara de Municipal de Vereadores, Felipe Gremelmaier (PMDB), que promulgou um projeto de lei de autoria do vereador Gustavo Toigo (PDT). A partir de agora, o Talian é, legalmente, uma das línguas oficiais de Caxias do Sul. A matéria já tramitava no legislativo desde 2015, e foi arquivada em 2016. No entanto, em maio deste ano, Toigo reapresentou o projeto. Na época, a proposta foi aprovada por unanimidade, mas após foi vetada pelo prefeito Daniel Guerra (PRB). O veto acabou sendo derrubado no plenário em 3 de outubro. Por fim, houve a promulgação nesta segunda-feira (09).

Continue lendo

I Seminário Internacional TALIAN: Referência Cultural Brasileira

O Projeto de Extensão “Resgate Histórico-Linguístico-Cultural da Língua Talian na Quarta Colônia de Imigração Italiana do Estado do Rio Grande do Sul”, desenvolvido pelo Colégio Técnico Industrial de Santa Maria (CTISM) estará promovendo no dia 25 de outubro de 2017 o I Seminário Internacional sobre a Língua Talian, patrimônio cultural e linguístico reconhecido pelo governo federal em 2014.

O turno da manhã é destinado à alunos de cursos técnicos e de graduação, conforme cronograma prévio abaixo.

Desde já agradecemos pela atenção e estamos à disposição para esclarecimentos.

 

I Seminário Internacional TALIAN: Referência Cultural Brasileira

25 de outubro de 2017

Local: Auditório do CTISM, Prédio 05 – Campus da UFSM

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo