Línguas Africanas

Gociante Patissa: Em Angola línguas nacionais tem um “status” secundário

Política linguística deve ser revista para dar um estatuto as outras línguas nacionais, reivindica escritor e linguista Gociante Patissa. Para ele, promoveu-se o português e descurou-se das outras, promovendo a exclusão.

Fonte: DW

Fonte: DW

Autor de vários livros, entre poesia, crónicas e contos, preocupa-se também com a valorização das línguas angolanas. E dá especial atenção ao umbundo, sua língua materna. A língua oficial em Angola é o português, adotada como tal a partir da independência, em 1975. Entretanto, a seu ver, desde então as outras línguas foram sendo marginalizadas. A DW África conversou com Gociante Patissa sobre o assunto.

DW África: É linguista e o seu primeiro prémio deveu-se ao seu empenho na divulgação do Umbundo. Alia sempre a sua formação às suas obras?

Gociante Patissa (GP): É inevitável por um lado. Por outro lado, sou um ser insatisfeito em relação à questão da política linguística em Angola. Penso que criamos um monstro chamado língua portuguesa e descuramos do resto. E às vezes compreendo, penso que houve uma necessidade  ao longo dessas décadas de conseguir um equilíbrio enquanto nação, fazendo desse conjunto de nações uma só, já que por detrás da língua há outros fatores. Mas é altura de repensarmos, há pessoas que vão nascer, crescer  e morrer sem lhes fazer falta a língua portuguesa. Então, uso as técnicas científicas para ao meu nível promover a minha língua, o que é difícil porque temos ainda o problema da dualidade de grafias. Não entendo porque uma língua tem de ter duas grafias diferentes, vamos falar da colonização e da igreja, mas as línguas são anteriores a colonização e a igreja. O católico e o protestante falam a mesma coisa, mas quando chega a hora de codificar codificam diferente. Isso depois tem como consequência o desencorajamento da produção em línguas nacionais, como é que vão ler?

DW África: Ainda sobre a política linguística em Angola, no que se refere a promoção das outras línguas nacionais o que gostaria de ver melhorado?

GP: Muita coisa, primeiro é a questão da política do Estado e o Estado tem de assumir isso, mais do que tem feito até agora. Sei que há um estudo de harmonização. Em 2012 fui entrevistado por uma jornalista inglesa e soube através dela que tinha sido encomendado um estudo a um académico africano para a harmonização ortográfica das línguas de matriz Bantu. Até hoje, volvidos 20 anos, não se sabe pelo menos o ponto de situação. Depois é a maneira como se olha [para elas], o status secundário que é atribuído as línguas nacionais. O jornalismo, por exemplo, é feito em língua portuguesa, mas quando se fala em jornalismo em línguas nacionais na verdade não é jornalismo, é tradução a quente do texto em português e as deturpações que disso advém. Portanto, é preciso dar as línguas os estatutos que elas merecem. Tem de se fazer muita coisa, estou a reclamar do Estado porque ele é o decisor e quem superintende ao nível macro as políticas. Mas depois há também há questão do cidadão, por exemplo, na rua, eu falo muito bem o umbundo melhor até que o português, se eu saudar uma varredora de rua [em umbundo] ela vai-me automaticamente responder em português, porque ela interpreta que lhe estou a desqualificar. Naturalmente há algumas províncias que dão algumas expetativas, eu gosto de ir ao Humabo, lá há menos complexos do que há em Benguela e em outras províncias, mas ainda assim não satisfaz. É preciso dar um suporte a isso. Por dia a televisão tem cerca de meia hora de noticiário em umbundo, o que é meia hora? É nada.

Continuar lendo

Linguas Bantu unem Universidade Pedagógica ( FCLCA) e Instituto de Línguas

As duas instituições assinaram na manhã do dia 25 de Janeiro, um Protocolo de Parceria Académica no âmbito da introdução do Ensino de Línguas Bantu Moçambicanas.

No essencial, com este protocolo docentes de língua bantu moçambicanas formados pela UP, vão apoiar o Instituto de Línguas no ensino destas línguas, que passam a integregar o leque de ofertas de cursos desta instituição que tradicionalmente tem cursos de Inglês e Françes. Assinaram o Protocolo a Directora da FCLCA, Profa. Doutora Sarita Monjane Henriksen e a Directora do IL, Mestre Nália Francisco.

Fonte: Universidade Pedagógica

Línguas do mundo: Unesco estima que 2,5 mil idiomas podem desaparecer no futuro

Unesco estima que 2,5 mil idiomas podem desaparecer; solução para questão pode estar na internet

Línguas do mundo: Unesco estima que 2,5 mil idiomas podem desaparecer no futuro  |  Fonte: Shutterstock

Línguas do mundo: Unesco estima que 2,5 mil idiomas podem desaparecer no futuro | Fonte: Shutterstock

Se você acredita que um idioma nunca morre, é hora de repensar. Segundo a Organizações das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), dos 6 mil idiomas existentes na Terra, aproximadamente 2,5 mil correm risco de desaparecer. Curiosamente, apesar de a globalização ser a principal razão desse fenômeno, é justamente um fruto dela que pode salvar essas línguas: a internet!

Entre os principais idiomas em risco estão, na maioria das vezes, dialetos indígenas como o andoa equatoriano que, atualmente, conta com apenas um falante ou o zapara, que tem apenas seis idosos que o compreendem fluentemente. Isso se dá ao fato de as comunidades precisarem se integrar à cultura dominante, o que resulta no abandono da sua própria e também de seu idioma.

A principal questão envolvendo essas línguas é que elas não são registradas por escrito, logo, são, em muitos casos, idiomas que existem apenas no contexto oral. O desafio atual dos linguistas é recuperar ao menos uma parte dos idiomas e tentar documentá-los. Uma tarefa difícil, porém, não impossível. E tudo graças à internet.

Ao serem gravadas em áudio ou em vídeo e disponibilizadas na web, essas línguas chegam a mais pessoas e, dessa forma, mais interessados aparecem. Há com isso um despertar para a cultura do outro, o que faz com que pessoas que nem haviam ouvido falar de determinado idioma sintam vontade de conhecer e protegê-lo.

Fonte: Universia Brasil

As 9 Línguas mais faladas em Angola

Fonte: PLUMANGOLA

Fonte: PLUMANGOLA

Angola a língua oficial é o português.

Mas algumas regiões têm o estatuto de línguas nacionais, sendo as mais faladas:

Kikongo, Kimbundo, Tchokwe, Umbundo, Mbunda, Kwanyama, Nhaneca, Fiote, Nganguela etc.

 

 

 

Fonte: PLUMANGOLA

IPOL participa de mesa de discussão: Políticas linguísticas: as línguas africanas em contato com as línguas europeias no VI SIALA

Acontece hoje, no VI SIALA – Seminário Internacional de Acolhimento das Línguas Africanas e IV Jornada do CEA/UFMG , a mesa-redonda com participação da pesquisadora Rosângela Morello sobre: Políticas linguísticas: as línguas africanas em contato com as línguas europeias.  Participam também da mesa-redonda Cristine Severo (UFSC e Leandro Rodrigues Alves Diniz (FALE/UFMG), com a coordenação de  Sônia Queiroz (UFMG).

O VI SIALA busca, de acordo com os organizadores do evento,  ser uma vitrine dos trabalhos de pesquisa e extensão desenvolvidos na UFMG e em outras instituições brasileiras em torno das línguas, culturas e literaturas africanas e seus desdobramentos nas Américas.

Saiba mais sobre o Evento no site: http://www.letras.ufmg.br/africanias/

Consulte o folder com a programação: sialaprogramacao

africa

Fonte: IPOL comunicação e Site do Evento 

IPOL confirma participação no VI SIALA – Seminário Internacional de Acolhimento das Línguas Africanas e IV Jornada do CEA/UFMG

Dias 7,8 e 9 de novembro de 2016 acontece o VI SIALA – Seminário Internacional de Acolhimento das Línguas Africanas e IV Jornada do CEA/UFMG.

Na quarta-feira, dia 9, a pesquisadora Rosângela Morello participa da mesa-redonda: Políticas linguísticas: as línguas africanas em contato com as línguas europeias.

O VI SIALA busca, de acordo com os organizadores do evento,  ser uma vitrine dos trabalhos de pesquisa e extensão desenvolvidos na UFMG e em outras instituições brasileiras em torno das línguas, culturas e literaturas africanas e seus desdobramentos nas Américas.

Saiba mais sobre o Evento no site: http://www.letras.ufmg.br/africanias/

Consulte o folder com a programação: sialaprogramacao

africa

Fonte: Email de Divulgação e Site Oficial

VI SIALA – Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas e IV Jornada do Centro de Estudos Africanos da UFMG.

Acontece nos dias 7,8 e 9 de novembro no Auditório A104, do Campus Pampulha da Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG, o evento Africanias – linguagens, culturas, histórias, compreendendo o VI SIALA – Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas e IV Jornada do Centro de Estudos Africanos da UFMG.

Inscrições seguem de 14/09 a 15/10, pelo email: visiala2016@gmail.com

Em breve mais informações.

africa

 

 

Nigéria: Asa, aplicativo inova ao ensinar iorubá para crianças

Por Kauê Vieira
Lá se vão 16 anos desde o início do século XXI. Para alguns o novo milênio significaria o fim da humanidade, contudo a nova era se mostrou um marco definitivo no avanço e consolidação da tecnologia como ferramenta essencial para a existência humana. O período se tornou ainda mais forte com o advento das redes sociais e com a chegada dos chamados telefones inteligentes ou smartphones, que facilitaram e muito a vida de todos ao redor do planeta.

 Em África não foi diferente, muito pelo contrário, o boom tecnológico foi ainda mais forte já que o continente negro saltou diretamente para o tempo da comunicação móvel. Com a crescente urbanização de metrópoles como Lagos, na Nigéria e Nairóbi, no Quênia, os aparelhos celulares são utilizados para muito além de troca de mensagens e navegação em páginas do Facebook. Por exemplo, até 2005 cerca de 81% da população do Quênia não tinha conta em bancos. Problema sério? Sem dúvidas, contudo apoiado nos 27% de habitantes com acesso à internet pelo celular, foi criado o MPesa, sistema que proporciona a realização de transações bancárias pelos aparelhos móveis. Para se ter uma ideia do impacto, o MPesa possui hoje cerca de 20 milhões de usuários. Continuar lendo

VI Encontro de Professores de Literaturas Africanas / II AFROLIC

afrolic2

O VI Encontro de Professores de Literaturas Africanas/II AFROLIC, que será realizado na Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE, nos dias 05, 06 e 07 de dezembro de 2016.

Como o tema Dizer Áfricas: Vozes, Literatura, Mulher, o VI Encontro de Professores de Literaturas Africanas/II AFROLIC lança uma discussão que ainda recai sobre epistemologias identitárias, só que sob uma orientação temática disposta a refletir sobre aspectos estéticos e ideológicos que territorializam em múltiplas encruzilhadas o discurso literário africano quando posto diante de bases orais, literárias e femininas/feministas. Além disso, o evento se propõe a homenagear intelectuais brasileiras que se destacam nos estudos especializados sobre Literaturas Africanas, são elas: Profa.Dra. Rita Chaves (USP), Profa. Dra. Carmen Tindó (UFRJ) e Profa.Dra. Elisalva Madruga (UFPB). Continuar lendo

Atividade Cultural no III CIPLOM/EAPLOM na UFSC.

Na noite de quinta-feira é momento de programação cultural no III CIPLOM/EAPLOM. Confira o cartaz.

evento

Facebook

Visite site Oficial

1ºENMP (clique na imagem)

Receba o Boletim

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Nossas publicações

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo