INDL

Libras poderá se tornar disciplina obrigatória na rede de ensino de Goiânia

Proposta de autoria da vereadora Cristina Lopes tramita na Câmara Municipal

A vereadora Cristina Lopes (PSDB) apresentou nesta terça-feira (19), na Câmara de Goiânia, projeto de lei que visa incluir o ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) nas escolas da rede pública da capital. Pela proposta, a Libras deverá ser oferecida desde a Educação Infantil até o Ensino Fundamental como disciplina curricular obrigatória no Município.

Cristina cita, ao justificar sua iniciativa, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira (LDB, número 9394/1996). “De acordo com a perspectiva da Lei, o professor deveria ser o responsável por mediar e incentivar a construção do conhecimento do aluno com deficiência auditiva, por meio da sua interação com os estudantes e do desenvolvimento de estratégias pedagógicas que os atendam em suas necessidades”, destaca a vereadora, acrescentando que, “fazer a escola bilíngue, irá torná-la mais inclusiva”. Continue lendo

Acordos de conciliação são escritos em línguas indígenas em Roraima

No início de fevereiro, o juiz Aluízio Ferreira Vieira, do TJ/RR, expediu uma portaria que regulamenta a maneira como devem ser redigidos os termos de conciliação no Polo Indígena de Conciliação Maturuca, localizado na comunidade indígena Maturuca.

De acordo com a norma, os termos de conciliação devem ser redigidos na língua materna das partes, residentes da terra indígena Raposa Serra do Sol. O polo, atualmente, conta com 16 conciliadores, dentre os quais estão professores, agentes de saúde e lideranças das comunidades indígenas de diversas etinias, como Macuxi, Taurepang e Ingaricó.

Segundo o juiz Aluízio Ferreira Vieira, que é coordenador do polo, a portaria regulamentou a prática, que antes era feita de maneira informal. “Desta forma, ficam termos claros e o idioma deles é valorizado.” Continue lendo

‘Dia do Índio’: O que faz o Brasil ter 190 línguas em perigo de extinção

Känä́tsɨ (à esq.) e Híwa falam entre si uma língua que só eles conhecem | Foto: Liames/Unicamp

Moradores da fronteira do Brasil com a Bolívia, o casal Känä́tsɨ, de 78 anos, e Híwa, de 76, são os dois últimos falantes ativos da língua warázu, do povo indígena Warazúkwe.

Os dois se expressam mal em castelhano e português, e conversam entre si somente em warázu – embora seus filhos e netos que moram com eles falem em português e espanhol.

“Aquela casa desperta, para quem entra nela, uma sensação incômoda de estranheza, como se o casal idoso que vive nela viesse de outro planeta, de um mundo que eles nunca poderão ressuscitar”, escrevem os pesquisadores Henri Ramirez, Valdir Vegini e Maria Cristina Victorino de França em um estudo publicado na revista Liames, da Unicamp.

Com ajuda do casal idoso, esses linguistas da Universidade Federal de Rondônia descreveram pela primeira (e possivelmente a última) vez o idioma do povo Warazúkwe. Continue lendo

Estado e município terão de garantir ensino da língua Ofayé-Xavante em escola

Ação movida pelo MPF tem a finalidade é evitar risco iminente da morte da língua e da cultura do povo Ofayé-Xavante

A Sexta Turma do Tribunal Regional Federal (TRF-3), por maioria, negou provimento ao recurso do estado do Mato Grosso do Sul e manteve sentença que o obriga a compartilhar com o município de Brasilândia a responsabilidade de assegurar o ensino da língua Ofayé-Xavante. A sentença, em ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), determina que caberá ao estado e ao município garantirem o resgate escrito e imediato da língua Ofayé para sua permanente preservação, por meio de linguistas a serem contratados.

Continue lendo

Como nasce um filme: mergulho na realidade dos povos indígenas

Prática do etnoturismo por uma aldeia indígena próxima de Manaus, em 2011: etnias dessana, tukana e tuyuka ofereciam aos turistas alguns rituais e explanações sobre sua cultura | Guaralice Paulista/Divulgação

Cineasta goiano narra a história de fundo que deu origem ao curta-metragem “O Turista no Espelho”, selecionado para a mostra competitiva do IV Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental, em Goiânia

Em 2013, participei da “II Oficina de Ava­lia­ção das Macrorregio­nais de DST, AIDS e He­patites Vi­rais” junto às populações indígenas, no Mato Grosso, cu­jo relatório, pos­teriormente, me deu um norte para a construção do argumento de meu documentário mais recente, “O Turista no Es­pelho”. O filme bus­ca a realidade dos povos nativos da Amazônia e dialoga com a situação de marginalidade de comunidades campesinas do país.

As oficinas de que participei, so­bre a política de equidade do Sis­te­ma Único de Saúde (SUS) junto aos in­dígenas, me fizeram sentir como um estrangeiro, observando uma nova organização social. Continue lendo

Jornadas Patrimoniais Santa Catarina: ciclo de debates tem início em abril

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) dará início ao projeto Jornadas Patrimoniais Santa Catarina, ciclo de debates que se propõem a abordar o Patrimônio Cultural, em diversas vertentes: Educação Patrimonial, em abril; Patrimônio Material, em agosto; Patrimônio Imaterial, em setembro; e Arqueologia, em novembro. O evento vai contar com as Bancas do Patrimônio, onde podem ser adquiridas as publicações do Iphan.

O primeiro encontro será em 13 de abril, no Museu Histórico de Santa Catarina, com a Mesa Redonda Conexões culturais: História, Geografia e Patrimônio Cultural. Participam a coordenadora de Educação Patrimonial do Iphan, Sônia Florêncio; as coordenadoras do projeto do Ponto de Cultura Engenhos de Farinha, Gabriella Pieroni e Manuela Braganholo; a coordenadora do Grupo de Pesquisa de Geografia do Turismo da Faculdade de Geografia da UFPA, Maria Goretti Tavares, e a coordenadora do Laboratório de Patrimônio da UDESC, Janice Gonçalves. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo