Educação indígena

Língua indígena começa a ser ensinada no Centro de Línguas do Acre

Joaquim Mana ministrou a oficina para cerca de 30 professores do CEL (Foto: Cedida)

Como parte do planejamento para as aulas de línguas indígenas no estado, o Centro de Estudo de Línguas (CEL) realizou nesta segunda-feira, 26, uma oficina sobre a Hãtxa kui, língua matriz do povo Huni Kui. Cerca de 30 professores do CEL participaram da aula, ministrada pelo professor-doutor em linguística Joaquim Mana Kaxinawa.

Mana explica que serão ofertadas ao público cinco oficinas de 20 horas, mostrando a cultura e a língua de cinco povos acreanos: Huni Kui, Jaminawa, Madija, Ashaninka e Manchineri. Na oficina de ontem, foi apresentada a estrutura do idioma Hãtxa kui, que Mana estuda e está ajudando na elaboração de livros.

Para o professor e pesquisador, “a escrita surge para fixar todo o conhecimento da convivência de um povo”, por isso é tão importante a organização e propagação de sua língua. Entusiasta da ideia de fortalecer a educação e cultura indígena do Acre, o governador Tião Viana está garantindo todo o apoio para a produção dos livros didáticos e para o ensino da língua, como está ocorrendo no CEL. Continue lendo

Processo Seletivo Simplificado da Licenciatura Indígena

Foi realizada este inicio de semana a publicação do Edital PSSLIN 06/2018
(Processo Seletivo Simplificado da Licenciatura Indígena).

Da versão enviada anteriormente, houve apenas algumas correções e mudanças pontuais e o acréscimo de alguns critérios no anexo 2 para prever as diversas realidades sociolinguísticas da região.

O período de pré-inscrição através de entrega de um formulário e cópias de CPF e RG iniciaram na segunda-feira dia 29/1 e ao final haverá a publicação da lista dos pré-inscritos.
A FOIRN está realizando a divulgação dos formulários de pré-inscrição e do edital PSSLIND 2018. Desse modo, em março haverá as inscrições online dos pré-inscritos, bem como de outros candidatos que não fizeram a pré-inscrição e queiram se inscrever nesse período. A FOIRN se dispôs a dar o devido apoio a quem precisar realizar as inscrições online no site da COMPEC/UFAM. Vejam o cronograma das atividades referentes a esse processo, que finaliza meados de junho, para matrícula ainda em junho se possível.
As provas serão em São Gabriel (sede) [Turma Yegatu], em Tunui – Rio Içana [Baniwa] e em Taracuá – Rio Waupés [Tukano].
As línguas do pólo Tukano foram ampliadas devido às reinvindicações de grupos que pediram que suas línguas pudessem fazer parte do processo. Na verdade isso já ocorreu no PSSLIND 2015. O que fizemos foi dar mais formalidade a isso.

Baixe o EDITAL

Fonte: divulgação interna.

“Mamug koe ixo tig”, o inovador método de alfabetização indígena no Brasil

ELISÂNGELA DELL-ARMELINA SURUÍ E CRIANÇAS EDUCADAS COM “MAMUG KOE IXO TIG” (FOTO: EFE)

Projeto rendeu o título de educadora do ano à professora Elisângela Dell-Armelina Suruí

Mamug koe ixo tig”, um inovador método de alfabetizaçãoque preserva a língua indígena em uma distante aldeia da Amazônia, se sobressaiu entre mais de 5 mil projetos de escolas do Brasil e rendeu o título de educadora do ano à professora Elisângela Dell-Armelina Suruí.

“O nome do meu projeto é ‘Mamug koe ixo tig’, que significa ‘A fala e a escrita das crianças’, para crianças do primeiro ao quinto ano do ensino básico”, contou à Agência Efe a professora, de 38 anos, vencedora em 2017 dos prêmios “Educadora Nota 10” e “Educadora do Ano”, ambos da Fundação Victor Civita. Continue lendo

Professora indígena de Rondônia ganha prêmio de educadora do ano

PROFESSORA ELISÂNGELA DELL-ARMELINA SURUÍ É A EDUCADORA DO ANO DE 2017 (FOTO: RENATO PIZZUTTO/FVC))

As crianças da comunidade indígena Paiter, na cidade de Cacoal, a 400 quilômetros de Porto Velho (RO) estavam com dificuldades de aprender a ler e escrever. O povo, que teve o primeiro contato com o homem branco em 1968, mantém preservada boa parte de suas tradições, inclusive a língua, que ainda é a mais falada por lá.

O problema é que não existe muito material didático na linguagem dos Paiter, e os escritos em português eram muito difícil de ser assimilado pelas crianças. A professora Elisângela Dell-Armelina Suruí não viu outra alternativa e decidiu preparar o próprio material didático. Nasceu assim o projeto “MamugKoeIxoTig”.    Continue lendo

Indigenous language class lets instructors find their voices

‘Their medicine can be culture and language,’ instructor says

Students at the Canadian Indigenous Languages and Literacy Development Institute perform a seven-point prayer before beginning their play. (CBC )

Charis Auger plays the role of a Cree person questioning their history and gender identity in a small classroom theatre production at the University of Alberta.

Auger’s character is living on 118th Avenue in Edmonton. In the play, the character picks up her cousin and the two urban Cree women drive to meet their grandmother and aunt on reserve. But the trio cannot communicate in the same language, causing heated arguments.

Continue lendo

MORÎÎPE ERE’PAMÎ PAINÎKON: evento de abertura das aulas de Macuxi Moroopai Wapichana Esenupa

Fonte: Divulgação

O evento aconteceu no auditório Alexandre Borges (UFRR) das 8 às 12 horas do dias 06 de maio de 2017. Incluiu a apresentação dos alunos, dos professores, das organizações indígenas presentes. Foi apresentado pela professora Ananda Machado um breve histórico do programa que começou em 2010 e as perspectivas de trabalho do Programa de Valorização das Línguas e Culturas Macuxi e Wapichana. Estiveram presentes os coordenadores da Organização dos Indígenas da Cidade (ODIC)- Eliandro Pedro de Souza, do Conselho Indígena de Roraima (CIR) Enock Taurepang, da Divisão de Educação indígena (DIEI) Milton Dário Missias Melquior, da Associação dos Povos Indígenas da Terra São Marcos (APITSM) Alzemiro Tavares.

Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo