Educação escolar indígena

Estado e município terão de garantir ensino da língua Ofayé-Xavante em escola

Ação movida pelo MPF tem a finalidade é evitar risco iminente da morte da língua e da cultura do povo Ofayé-Xavante

A Sexta Turma do Tribunal Regional Federal (TRF-3), por maioria, negou provimento ao recurso do estado do Mato Grosso do Sul e manteve sentença que o obriga a compartilhar com o município de Brasilândia a responsabilidade de assegurar o ensino da língua Ofayé-Xavante. A sentença, em ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal (MPF), determina que caberá ao estado e ao município garantirem o resgate escrito e imediato da língua Ofayé para sua permanente preservação, por meio de linguistas a serem contratados.

Continue lendo

“Mamug koe ixo tig”, o inovador método de alfabetização indígena no Brasil

ELISÂNGELA DELL-ARMELINA SURUÍ E CRIANÇAS EDUCADAS COM “MAMUG KOE IXO TIG” (FOTO: EFE)

Projeto rendeu o título de educadora do ano à professora Elisângela Dell-Armelina Suruí

Mamug koe ixo tig”, um inovador método de alfabetizaçãoque preserva a língua indígena em uma distante aldeia da Amazônia, se sobressaiu entre mais de 5 mil projetos de escolas do Brasil e rendeu o título de educadora do ano à professora Elisângela Dell-Armelina Suruí.

“O nome do meu projeto é ‘Mamug koe ixo tig’, que significa ‘A fala e a escrita das crianças’, para crianças do primeiro ao quinto ano do ensino básico”, contou à Agência Efe a professora, de 38 anos, vencedora em 2017 dos prêmios “Educadora Nota 10” e “Educadora do Ano”, ambos da Fundação Victor Civita. Continue lendo

Professora indígena de Rondônia ganha prêmio de educadora do ano

PROFESSORA ELISÂNGELA DELL-ARMELINA SURUÍ É A EDUCADORA DO ANO DE 2017 (FOTO: RENATO PIZZUTTO/FVC))

As crianças da comunidade indígena Paiter, na cidade de Cacoal, a 400 quilômetros de Porto Velho (RO) estavam com dificuldades de aprender a ler e escrever. O povo, que teve o primeiro contato com o homem branco em 1968, mantém preservada boa parte de suas tradições, inclusive a língua, que ainda é a mais falada por lá.

O problema é que não existe muito material didático na linguagem dos Paiter, e os escritos em português eram muito difícil de ser assimilado pelas crianças. A professora Elisângela Dell-Armelina Suruí não viu outra alternativa e decidiu preparar o próprio material didático. Nasceu assim o projeto “MamugKoeIxoTig”.    Continue lendo

VI Marcha dos Povos Indígenas de Roraima

VI Marcha dos Povos Indígenas de Roraima
“Nenhum direito a menos”
Por Ananda Machado | Colaboradora

Fonte: acervo pessoal

O Conselho Indígena de Roraima (CIR), organização indígena criada para defender os direitos e interesses dos povos indígenas de Roraima com outras organizações indígenas de Roraima, entidades sociais e indigenistas, sindicatos, coordenações regionais e os demais parceiros e colaboradores organizaram e articularam a 6ª Marcha dos Povos Indígenas de Roraima, ato em alusão ao Dia Internacional dos Povos Indígenas, realizada na quarta-feira, 9 de agosto, em Boa Vista/RR.

Com a participação de aproximadamente mil pessoas, entre indígenas e não indígenas realizamos a 6ª Marcha dos Povos Indígenas de Roraima, ato realizado desde o ano de 2012 por iniciativa desta organização indígena e que ao longo desses anos, também foi abraçada pelas demais organizações indígenas de Roraima, movimentos sociais e demais defensores da causa indígena e social.
Anualmente, destacamos temas na área da saúde, educação, territorial, meio ambiente e outros que são de direito dos povos indígenas e trabalhadores brasileiros, porém, esse ano, o foco foi em defesa dos nossos direitos indígenas, especialmente, os artigos 231 e 232 da Constituição Federal Brasileira de 1988, assim como os direitos garantidos nas instâncias internacionais, tais como a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas e outros direitos originários conquistados ao longo dos 517 anos.

Continue lendo

MORÎÎPE ERE’PAMÎ PAINÎKON: evento de abertura das aulas de Macuxi Moroopai Wapichana Esenupa

Fonte: Divulgação

O evento aconteceu no auditório Alexandre Borges (UFRR) das 8 às 12 horas do dias 06 de maio de 2017. Incluiu a apresentação dos alunos, dos professores, das organizações indígenas presentes. Foi apresentado pela professora Ananda Machado um breve histórico do programa que começou em 2010 e as perspectivas de trabalho do Programa de Valorização das Línguas e Culturas Macuxi e Wapichana. Estiveram presentes os coordenadores da Organização dos Indígenas da Cidade (ODIC)- Eliandro Pedro de Souza, do Conselho Indígena de Roraima (CIR) Enock Taurepang, da Divisão de Educação indígena (DIEI) Milton Dário Missias Melquior, da Associação dos Povos Indígenas da Terra São Marcos (APITSM) Alzemiro Tavares.

Continue lendo

De Miranda para Amazônia, índios ensinam como salvar língua quase extinta

“Meu povo tem uma história muito triste, em relação à língua. No passado meu povo foi muito massacrado e proibido de falar a língua. Da nossa língua, hoje, nós só temos dois falantes”. O desabafo é do professor Raynney Datxe, indígena da etnia Apiaká da região amazônica, no norte de Mato Grosso

A forma de produção do material didático e a aplicação dele em sala de aula inspira outras iniciativas como a dos Apiakás, que querem evitar a extinção de sua língua materna. (Foto: Luciano Justiniano)

A forma de produção do material didático e a aplicação dele em sala de aula inspira outras iniciativas como a dos Apiakás, que querem evitar a extinção de sua língua materna. (Foto: Luciano Justiniano)

 

O povo dele não é o único a sofrer o massacre cultural. Na semana que passou, o professor veio junto com uma comitiva de educadores Apiaká a Miranda para aprender como preservar o pouco que restou da língua.

No Estado, a comitiva acompanhou o trabalho do Ipedi (Instituto de Pesquisa da Diversidade Intercultural) no resgate da língua e da cultura dos índios terena das oito aldeias de Miranda. Projeto daqui que já recebeu diversos prêmios nacionais por promover a preservação da língua terena, já em extinção.

Visitantes receberam exemplares do livro Kalivono e conheceram as práticas pedagógicas aplicadas em sala de aula. (Foto: Luciano Justiniano)

Visitantes receberam exemplares do livro Kalivono e conheceram as práticas pedagógicas aplicadas em sala de aula. (Foto: Luciano Justiniano)

Visitantes receberam exemplares do livro Kalivono e conheceram as práticas pedagógicas aplicadas em sala de aula. (Foto: Luciano Justiniano)

A tecnologia criada pelo Instituto consiste na na produção de material didático para educação infantil e alfabetização, tanto em português quanto em terena e pautados na cultura local.

O mesmo pode ser reaplicado para ajudar a salvar outras línguas indígenas em extinção no Brasil, como a língua dos Apiakás.

“Nosso objetivo na aldeia Babaçú, no município de Miranda, foi de conhecer como é que foi desenvolvido este projeto, porque no futuro nós queremos também fazer o mesmo”, afirma o professor Raynney Datxe.

Fonte: Campo Grande News

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo