Diversidade linguística

Mapa mostra as línguas faladas no mundo e permite que você ouça até os sotaques regionais

mapa

FOTO: REPRODUÇÃO/LOCALINGUAL/ LOCALINGUAL TRAZ GRAVAÇÕES DE DIVERSOS LOCAIS DO MUNDO

Qualquer um que já viajou de uma região a outra do Brasil, e, em alguns casos, mesmo de uma cidade a outra, sabe que há diferenças marcantes no vocabulário utilizado e mesmo no jeito como as palavras são pronunciadas.

Essas diferenças territoriais na forma como se fala são suficientes para constituir dialetos. No Brasil, por exemplo, há o dialeto recifense, falado na região metropolitana do Recife; o dialeto caipira, falado em partes de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás e Paraná; e o cearense.

Para quem não conhece uma língua, compreender e se acostumar com essas diferentes formas de falar pode ser tão difícil quanto aprender uma nova gramática. Foi a partir desse problema que David Ding, ex-engenheiro de softwares da Microsoft, criou o Localingual, um mapa interativo on-line no qual é possível ouvir trechos de falas de pessoas de diversas regiões do globo.

Clique aqui e veja o mapa interativo.

Com ele é possível ouvir não só as diferenças entre o português de um gaúcho e de um paraibano, mas também entre um falante de francês de Paris ou de Québec, no Canadá, por exemplo.

O site mostra um mapa-múndi com todos os países. Conforme se dá um zoom na imagem, as divisões administrativas internas — Estados, no caso do Brasil —, assim como algumas das principais cidades, são destacadas. Ao clicar nelas é possível ouvir o som de vozes locais.

mapa2

FOTO: REPRODUÇÃO/LOCALINGUAL/ MAPA DO BRASIL NO SITE DE LÍNGUAS E SOTAQUES

 O site foi ao ar no dia 8 de janeiro de 2017, e as gravações são enviadas por voluntários. Por isso, mesmo com mais de 18 mil diferentes gravações, ainda há diversos locais com poucos ou nenhum exemplo de falas.

Segundo o criador do Localingual, o objetivo é fazer com que o site, que é mantido à base de doações, se transforme em uma “Wikipédia das línguas e dialetos”, que poderia ser consultada por qualquer interessado em aprender a pronunciar as palavras de acordo com a região do globo.

Fonte: Nexo Jornal

ONU promove concurso de redação para jovens universitários

 

Concurso premia redações em línguas oficiais da ONU. Foto: ONU/Loey Felipe

Concurso premia redações em línguas oficiais da ONU. Foto: ONU/Loey Felipe

As Nações Unidas estão com as inscrições abertas para o concurso de redação Muitas Línguas, Um Mundo, voltado para jovens universitários. A iniciativa é promovida pela escola de inglês ELS Educational Services e pelo programa Impacto Acadêmico da ONU.

 

As Nações Unidas estão com as inscrições abertas para o concurso de redação Muitas Línguas, Um Mundo, voltado para jovens universitários. A iniciativa é promovida pela escola de inglês ELS Educational Services e pelo programa Impacto Acadêmico da ONU.

Para concorrer, é preciso escrever uma redação original de até 2 mil palavras discutindo noções de cidadania global e compreensão cultural, abordando a importância do desenvolvimento de habilidades linguísticas. A redação deve refletir o contexto pessoal, acadêmico, cultural e nacional do candidato.

Os participantes precisam ser estudantes universitários, ter mais de 18 anos e autorização formal de um membro da faculdade ou administrador universitário para participar.

O texto deve ser escrito em um dos seis idiomas oficiais da organização, que seja diferente do idioma materno e da língua na qual recebeu educação primária e secundária. As inscrições podem ser feitas até 16 de março.

Sessenta vencedores serão selecionados como delegados para o Fórum Global da Juventude Muitas Línguas, Um Mundo que ocorrerá este ano entre 15 e 26 de julho na Northeastern University (Boston, Estados Unidos). Na ocasião, os jovens criarão planos de ação relacionados à Agência 2030 para o Desenvolvimento Sustentável em uma das seis línguas oficiais das Nações Unidas.

Cada vencedor terá direito a uma viagem paga para Boston e Nova Iorque no período da conferência. Os custos com passagem aérea, acomodações e alimentação serão pagos pela ELS Educational Services.

A iniciativa “Muitas Línguas, Um Mundo” promove o aprendizado continuado das seis línguas oficiais das Nações Unidas: árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol.

fonte: Nações Unidas do Brasil

Lanzamiento del primer noticiero en quechua en la TV peruana

peru1

El primer ministro Fernando Zavala fue entrevistado en el primer programa del noticiero en quechua. | Fuente: EFE

Durante la emisión del primer programa “Ñuqanchik” (“Nosotros”, en quechua) se transmitió un mensaje grabado en quechua por el presidente del Perú, Pedro Pablo Kuczynski.

Iphan lança Guia de Pesquisa e Documentação da Diversidade Linguística Brasileira

indl_guia_vol11 indl_guia_vol21

Estudiosos, profissionais e comunidades linguísticas podem contar agora com o Guia de Pesquisa e Documentação do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL), publicação que integra as ações comemorativas dos 80 anos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A edição está estruturada em dois volumes.  O primeiro, denominado Patrimônio Cultural e Diversidade Linguística, de caráter teórico e conceitual, é composto de seis capítulos, e traz uma apresentação geral da Política da Diversidade Linguística; o processo de inclusão de línguas no INDL, além das diferentes dimensões que constituem um inventário linguístico, seus conceitos estruturantes, orientações para organização dos arquivos audiovisuais, incluindo ainda abordagens utilizadas para documentação linguística, como técnicas de pesquisa e de tratamento de dados. Continuar lendo

Inglês pode ter dias contados como ‘língua da internet’

face

Algumas das maiores tecnológicas do mundo estão a facilitar a utilização de múltiplas línguas em simultâneo.

Desde que a internet começou a ser utilizada que o inglês foi naturalmente adotado como uma língua comum, acelerando ainda mais o processo de globalização que foi acentuado com o aparecimento de redes sociais e proliferação de aplicações de mensagens. Contudo, isto pode estar prestes a terminar.

As mais recentes ações de grandes tecnológicas como o Facebook, a Apple e a Google pode ser determinante para o terminar desta fase. Enquanto o Facebook está a testar uma funcionalidade capaz de permitir aos utilizadores publicar em múltiplas línguas, a Apple está a trabalhar em algo semelhante para o seu teclado. A Google não pretende ficar pelo caminho e já permite mudar em plataformas mobile o idioma de inglês para hindu.

Como nota o Recode, a intenção por parte destas três tecnológicas é clara: continuar a aumentar o seu número de utilizadores abrindo-se a novas línguas. A esperança é ter margem de progressão suficiente para crescer e continuar a agregar cada vez mais pessoas na sua rede.

Fonte: Notícias ao Minuto.com

As línguas na Europa: o que mudará com o “Brexit”?

O que faz falta à Europa é uma abordagem de política linguística que vá além da opção “por defeito” da simples submissão à hegemonia e ao domínio do inglês.

Em segundo lugar,  se o papel do inglês não for questionado, o Reino Unido (tal como os anglófonos de outros países) continuará a beneficiar de transferências sem compensação, uma vez que a utilização do inglês no seio da União Europeia (UE) exigirá sempre um investimento muito significativo para aprender esta língua. Tal confere aos falantes nativos, sem qualquer contrapartida, uma vantagem considerável em mercados lucrativos: professores e cursos de línguas, venda de material pedagógico, certificação, etc.

Em terceiro lugar – e sobretudo – o inglês domina em vários outros contextos para além das questões internas da União. Uma vez que a UE tem menos anglófonos nativos, o inglês deveria, no seio interior, ser menos injusto mas os desequilíbrios manter-se-iam fora da UE. A UE não é, nem será nunca, uma ilha distante do resto do mundo, ainda pós-Brexit apenas tenha 6% da população mundial. A globalização só acentua este contraste. Nos planos económico, político e científico, o que conta não é a UE mas o mundo. Mesmo na UE, áreas não relacionadas com o seu funcionamento institucional, como o turismo, a edição científica ou os negócios, manter-se-ão sob uma forte atracção do inglês. Assim sendo, em todo o mundo, os anglófonos continuarão a beneficiar das mesmas vantagens materiais, culturais e simbólicas. Continuar lendo

Atividade Cultural no III CIPLOM/EAPLOM na UFSC.

Na noite de quinta-feira é momento de programação cultural no III CIPLOM/EAPLOM. Confira o cartaz.

evento

III CIPLOM e III EAPLOM ao vivo

ciplon

 

Acompanhe ao vivo as atividades que ocorrem no Auditório Garapuvu, do Centro de Cultura e Eventos da UFSC, durante o III CIPLOM/EAPLOM no site:

http://eventos.ufsc.br/.

Confira programação do evento e programe-se!

 

Minicurso no III CIPLOM/EAPLOM “Política Linguística: cooficialização, inventários e desafios na gestão das línguas.”

minicurso

Rosângela Morello e Ana Paula Seiffert/IPOL

As pesquisadoras Ana Paula Seiffert e Rosângela Morello realizaram, na manhã desta terça, dia 7 de junho, a primeira parte do minicurso Política Linguística: cooficailização, inventários e desafios na gestão das línguas.

Segundo as pesquisadoras, o minicurso busca contextualizar e discutir as políticas de promoção e valorização de línguas minoritárias no Brasil, especialmente cooficializações de línguas em âmbito municipal e o Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL), além de experiências na gestão de línguas pelo ensino bi ou plurilíngue, como a programa das escolas interculturais bilíngues de fronteira (PEIBF/PEIF) e o Observatório da Educação na Fronteira (OBEDF).

Durante o minicurso, as proponentes abordam as potencialidades dos processos de cooficialização como política que vem se disseminando e que já alcança 11 línguas (4 de descentes de imigrantes e 7 de indígenas) em 19 municípios brasileiros. Discutem também o estatuto jurídico para as línguas em crescente uso ou aplicação no Brasil:  os processos de reconhecimento das línguas como patrimônio, como referência cultural de um município, estado ou mesmo em âmbito nacional, como é o caso do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL), instituído através do Decreto nº 7387 de 10 de dezembro de 2010. A política do INDL, segundo seu Art. 3º, concederá à língua incluída no Inventário Nacional da Diversidade Linguística o título de “Referência Cultural Brasileira”, expedido pelo Ministério da Cultura.

mini

Rosângela Morello e Ana Paula Seiffert/IPOL

Ana Paula Seiffert e Rosângela Morello apresentam os avanços que a cooficialização e o INDL trazem para o mapeamento das línguas e para sua gestão, considerando a perspectiva interna, do Estado Brasileiro, e também suas potencialidades nas relações multilaterais das políticas regionais e internacionais.

A segunda parte do Minicurso ocorre na manhã de hoje, dia 8, das 8:30 às 10:30.

Confira o caderno completo de resumos dos minicursos do Evento em http://iiiciplomeaplom.webnode.com/programacao-programa/

Fonte: IPOL Comunicação

Aplicativo para surdos transforma conteúdos da internet em Libras

vlibrasPor: Marieta Cazarré – Repórter da Agência Brasil
Edição: Denise Griesinger

Uma nova versão da Suíte Vlibras foi lançada hoje (5), em Brasília. Trata-se de um conjunto de ferramentas digitais que amplia a acessibilidade das pessoas com deficiência auditiva a conteúdos online. O conjunto de aplicativos está disponível para download gratuito no Portal do Software Público Brasileiro (SPB).

O coordenador do projeto Vlibras, Tiago Maritan, explica que o conjunto de aplicativos faz a tradução de conteúdos digitais (texto, áudio e vídeo) para Libras, a Linguagem Brasileira de Sinais, através de um boneco (avatar) 3D. As pessoas com deficiência auditiva podem selecionar textos e áudios e, com um clique, traduzir estes conteúdos para Libras.

Continuar lendo

Facebook

Visite site Oficial

1ºENMP (clique na imagem)

Receba o Boletim

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Nossas publicações

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo