Diversidade linguística

Uma bolsa para escritores estrangeiros em Berlim

Nos últimos anos, a capital da Alemanha voltou a ser lar para inúmeros escritores de fora. Cidade acaba de conceder incentivos a autores de língua estrangeira que nela residem, incluindo uma brasileira.

Symbolbild Frauenhand Schreiben Wiese (colourbox)

A Alemanha é o país de Johann Wolfgang von Goethe e Friedrich Schiller. É o país de Heine e Bertolt Brecht. E hoje unem-se a eles os escritores que compartilham oxigênio conosco, mulheres como Monika Rinck e Elke Erb, homens como Rainald Goetz e Jan Kuhlbrodt. E não podemos deixar de pensar naqueles que sequer nasceram no país, mas falam sua língua, como Herta Müller, natural da Romênia e a mais recente ganhadora do Prêmio Nobel em língua alemã.

O que foi mesmo que Fernando Pessoa disse? Que sua pátria era sua língua? E quanto àqueles que dividem a terra de uma nação, são seus cidadãos, mas produzem em outras línguas? Continue lendo

Algumas festas tradicionais que você precisa conhecer em Rondônia

Um exemplo é a Festa do Divino Espírito Santo no Vale do Guaporé – fronteira do Brasil com a Bolívia, no estado de Rondônia – é o segundo festejo religioso mais antigo da Amazônia, superado apenas pelo Círio de Nazaré, em Belém do Pará.

1) FESTA DO DIVINO – Acontece em fins de março e abril. Uma mistura do profano e o sagrado, evento com origem portuguesa abraçado pelos afro-descendentes há mais de 120 anos. São mais de quarenta dias com os romeiros percorrendo as águas do Guaporé  em batelões.

A Festa do Divino Espírito Santo no Vale do  Guaporé – fronteira do Brasil com a Bolívia, no estado de Rondônia – é o segundo festejo religioso mais antigo da Amazônia, superado apenas pelo Círio de Nazaré, em Belém do Pará. Ao contrário de similares que acontecem em vários estados brasileiros, no Guaporé não existe cavalhada ou luta entre “mouros” e “cristãos”, sendo o deslocamento feito todo por via fluvial. Trazida para o Guaporé da região de Cuiabá em 1894, a Festa do Divino visita as comunidades brasileiras e bolivianas ao longo dos rios Guaporé e Paraguá.

Continue lendo

Sérgio Andrade, Felipe Bragança e a representação indígena no cinema nacional

O cinema brasileiro se voltou aos assuntos indígenas em dois dos principais filmes nacionais lançados em 2017.

Sérgio Andrade e Fábio Baldo trouxeram a relação desta população dentro de um contexto urbano e com a questão LGBT inserida neste cenário com a produção rodada em Manaus, “Antes o Tempo não Acabava”. Já Felipe Bragança foi até a fronteira Brasil-Paraguai juntando não-atores guaranis com a estrela global, Cauã Reymond, na aventura “Não Devore Meu Coração”.

No meio do processo de realização da ficção científica “A Terra Negra dos Kawá”, Sérgio Andrade encontrou Felipe Bragança visitando Manaus para um bate-papo com Diego Bauer, do Cine Set. Continue lendo

Dia Mundial da Língua Árabe

Em 18 de dezembro celebra-se o Dia Mundial da Língua Árabe. A data foi estabelecida pela UNESCO em 2012 com dois objetivos: “Celebrar o multilinguismo e a diversidade cultural, e promover o uso igualitário das seis línguas oficiais dentro da organização.” Em 18 de dezembro de 1973, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a introdução do árabe nas línguas oficiais e de trabalho da ONU com base numa proposta apresentada pelos reinos de Marrocos e da Arábia Saudita durante a 190.ª sessão do Conselho Executivo da UNESCO em 1973.

O número de falantes do árabe como primeiro idioma é, atualmente, de cerca de 360 milhões, a população dos países árabes, para além de outros 130 milhões que falam o árabe como segunda língua. É também a língua de cultura religiosa de mil milhões de muçulmanos. O árabe ocupa atualmente o quarto lugar depois do inglês, francês e espanhol, em termos de número de falantes de línguas no mundo, e é uma das línguas mais difundidas no mundo de hoje. Continue lendo

Clube Poliglota reúne amantes de idiomas para conversas em outras línguas

Trupe de Maceió se reúne duas vezes por mês; feira acontece na capital alagoana para ensinar iniciantes

Clube Poliglota se reúne para bate-papo em outras línguas

FOTO: DIVULGAÇÃO

Eles se encontram duas vezes por mês e, quando estão juntos, todas as línguas são permitidas. É mais ou menos assim que funciona o Clube Poliglota de Maceió, surgido em  2013 a partir de encontros para a prática de inglês, os chamados English Meetings. Seria no ano seguinte, porém, que todos os idiomas passariam a ser bem vindos.

Danilo Belo Daniel é fundador da iniciativa e conta que a ideia surgiu a partir da necessidade de praticar “Foi devido à necessidade de praticar inglês, sendo que não tinha muita oportunidade para isso aqui em Maceió e, como todos nós sabemos se não praticarmos algum idioma vamos esquecendo gradativamente do que aprendemos”. Continue lendo

O que o mundo perde quando morre uma língua

Quando Yang Huanyi faleceu, em 2004, morreu também o nushu, um sistema de escrita silábico conhecido apenas pelas mulheres de uma área remota da província chinesa de Hunan. Aos 98 anos, ela era a última detentora de um conhecimento passado de mãe para filha que, durante séculos, permitiu que as mulheres se comunicassem secretamente entre si e burlassem o controle dos homens, ainda que fossem proibidas de receber educação formal.

De acordo com o Atlas Interativo das Línguas em Perigo, da UNESCO, mais de 100 línguas desapareceram nos últimos 10 anos e outras 2.572 são consideradas vulneráveis ou em risco de extinção. Dessas, 519 estão em situação crítica e 51 são faladas por uma única pessoa. A organização afirma que uma língua morre a cada 14 dias. Nesse ritmo, metade dos 7.000 idiomas falados hoje no mundo desaparecerá até o final do século 21, alguns deles sem nunca terem sido gravados ou documentados. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo