Diversidade linguística

A forma de ver as cores pode mudar dependendo do idioma que você fala

Aprender uma nova língua pode até mesmo alterar a maneira como nosso cérebro processa as tonalidades

Cores_pintura_visão (Foto: Pixabay)

A forma de ver as cores depende da língua que falamos. É o que mostrou um estudo publicado na PNAS, revista oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. De acordo com os pesquisadores, a percepção das cores está muito menos relacionado ao que vemos e muito mais relacionada à forma como nosso cérebro as interpreta.

Os cientistas destacam que desde que nascemos, aprendemos a categorizar objetos, emoções e cores usando a linguagem. Segundo eles, nossos olhos podem perceber centenas de cores, que dividimos em categorias para identificar e atribuir um significado.  Continue lendo

7.000 idiomas para 7.000 milhões de pessoas. O mundo é um complexo xadrez linguístico

A Sociedade Linguística dos Estados Unidos contabiliza quase 7.000 línguas diferentes nos cinco continentes da Terra. 18 desses idiomas só não foram dados como extintos, porque têm apenas um falante.

“Olá”, “Bom dia”, “Boa tarde”, “Boa noite” ou “Obrigado”.

São expressões que utiliza todos os dias. E que se tornaram tão naturais que, provavelmente, nem repara.

Mas já alguma vez pensou quantas formas diferentes há no mundo para dizer tudo isto?

A Sociedade Linguística norte-americana elaborou um levantamento global e não chegou a um número exatamente definitivo.

Porque, apesar de toda a evolução humana e da tecnologia avançada que temos ao nosso dispor, a verdade é que os investigadores do mundo dito civilizado ainda não conseguem chegar a todo o lado. Continue lendo

O Dia Internacional da Língua Materna

No dia 21 de Fevereiro, comemora-se em todo mundo o Dia Internacional da Língua Materna, uma data instituída pela UNESCO, há dezanove anos, e que lembra a responsabilidade que os Estados, as instituições e as pessoas têm de promover o multilinguismo, a diversidade linguística e cultural.

Em Angola, há um largo segmento da população que possui uma das línguas nacionais como materna, razão pela qual há a protecção constitucional reservada pelo Estado. Não há dúvidas de que há igualmente um grande segmento da população angolana, cada vez mais crescente,  que não fala nenhuma das línguas nacionais e que têm o português como língua materna.
A Carta Magna, no seu artigo 19. º, dispõe no seu número dois que “o Estado valoriza e promove o estudo, o ensino e a utilização das demais línguas de Angola, bem como das principais línguas de comunicação internacional”. E embora haja o “guarda-chuva” protector da Constituição da República, na verdade, há ainda um longo caminho a percorrer para alcançarmos metas de satisfação relativamente à preservação,  uso e continuidade das línguas nacionais.  Continue lendo

Uma bolsa para escritores estrangeiros em Berlim

Nos últimos anos, a capital da Alemanha voltou a ser lar para inúmeros escritores de fora. Cidade acaba de conceder incentivos a autores de língua estrangeira que nela residem, incluindo uma brasileira.

Symbolbild Frauenhand Schreiben Wiese (colourbox)

A Alemanha é o país de Johann Wolfgang von Goethe e Friedrich Schiller. É o país de Heine e Bertolt Brecht. E hoje unem-se a eles os escritores que compartilham oxigênio conosco, mulheres como Monika Rinck e Elke Erb, homens como Rainald Goetz e Jan Kuhlbrodt. E não podemos deixar de pensar naqueles que sequer nasceram no país, mas falam sua língua, como Herta Müller, natural da Romênia e a mais recente ganhadora do Prêmio Nobel em língua alemã.

O que foi mesmo que Fernando Pessoa disse? Que sua pátria era sua língua? E quanto àqueles que dividem a terra de uma nação, são seus cidadãos, mas produzem em outras línguas? Continue lendo

Algumas festas tradicionais que você precisa conhecer em Rondônia

Um exemplo é a Festa do Divino Espírito Santo no Vale do Guaporé – fronteira do Brasil com a Bolívia, no estado de Rondônia – é o segundo festejo religioso mais antigo da Amazônia, superado apenas pelo Círio de Nazaré, em Belém do Pará.

1) FESTA DO DIVINO – Acontece em fins de março e abril. Uma mistura do profano e o sagrado, evento com origem portuguesa abraçado pelos afro-descendentes há mais de 120 anos. São mais de quarenta dias com os romeiros percorrendo as águas do Guaporé  em batelões.

A Festa do Divino Espírito Santo no Vale do  Guaporé – fronteira do Brasil com a Bolívia, no estado de Rondônia – é o segundo festejo religioso mais antigo da Amazônia, superado apenas pelo Círio de Nazaré, em Belém do Pará. Ao contrário de similares que acontecem em vários estados brasileiros, no Guaporé não existe cavalhada ou luta entre “mouros” e “cristãos”, sendo o deslocamento feito todo por via fluvial. Trazida para o Guaporé da região de Cuiabá em 1894, a Festa do Divino visita as comunidades brasileiras e bolivianas ao longo dos rios Guaporé e Paraguá.

Continue lendo

Sérgio Andrade, Felipe Bragança e a representação indígena no cinema nacional

O cinema brasileiro se voltou aos assuntos indígenas em dois dos principais filmes nacionais lançados em 2017.

Sérgio Andrade e Fábio Baldo trouxeram a relação desta população dentro de um contexto urbano e com a questão LGBT inserida neste cenário com a produção rodada em Manaus, “Antes o Tempo não Acabava”. Já Felipe Bragança foi até a fronteira Brasil-Paraguai juntando não-atores guaranis com a estrela global, Cauã Reymond, na aventura “Não Devore Meu Coração”.

No meio do processo de realização da ficção científica “A Terra Negra dos Kawá”, Sérgio Andrade encontrou Felipe Bragança visitando Manaus para um bate-papo com Diego Bauer, do Cine Set. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Revista Platô

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo