Alemão

Inscrições para oficinas do projeto línguas de imigração como patrimônio

Oficinas_postalOficinas_postal

oficinas folderEstão abertas as inscrições para as oficinas do projeto “Línguas de imigração como patrimônio: (re)conhecendo a diversidade linguística no sabor da herança culinária”, coordenado pela pesquisadora do IPOL e do NAUI – Dinâmicas Urbanas e Patrimônio Cultural – da UFSC, Mariela F. da Silveira

e executado pelo Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística (IPOL). O Projeto do IPOL, contemplado pelo edital Elisabete Anderle de Estimulo à Cultura 2014, prevê a realização de três oficinas objetivando promover a educação patrimonial com destaque ao cenário plurilíngue e multicultural e às histórias das imigrações e das comunidades linguísticas da região através da culinária.

As oficinas são gratuitas e serão realizadas neste semestre na Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (AMMVI), em Blumenau, nos dias 19 de março, 9 de abril e 14 de maio de 2016. Vagas limitadas.

Serviço: 

O quê: Inscrições gratuitas para Oficinas do projeto “Línguas de Imigração como Patrimônio: (re)conhecendo a diversidade linguística no sabor da herança culinária”

Onde: Sede da Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí. Rua Alberto Stein, n° 466, Bairro Velha, Blumenau

Quando:

Oficina 1 “Diversidade Linguística e Patrimônio” em 19/03/2016

Oficina 2 “Línguas e Imigração no Brasil” em 09/04/2016

Oficina 3 “Línguas e políticas de reconhecimento e promoção” em 14/05/2016

Quem pode participar?

Membros das comunidades da região (professores, lideranças, comunidade em geral);

Gestores locais (representantes de Secretaria de Cultura, Secretaria de Educação e de associações);

Inscrição: no endereço https://docs.google.com/…/1E1MHt4PsBM7-laUH201UyuqJHuw…/edit ou entre em contato pelo e-mail lingua.patrimonio@gmail.com  ou telefone: (48) 9122-8517

Fonte: IPOL/Notícias da UFSC

Carta do IV Seminário dos Povos Indígenas do Sudeste Paraense

iv-semCarta do IV Seminário dos Povos Indígenas do Sudeste Paraense

Divulgamos nesta postagem a Carta do IV Seminário dos Povos Indígenas do Sudeste Paraense, que teve como tema “Construindo a política de Educação Escolar Indígena”. O Seminário foi realizado entre os dias 26 e 28 de novembro de 2015, na cidade de Marabá-PA.

Clique aqui para baixar o pdf com o texto da Carta

Continue lendo

Congresso internacional A música dos emigrantes alemães fora da Europa nos sécs. XVIII e XIX

Foto: Ceart/Udesc

Foto: Ceart/Udesc

A música dos emigrantes alemães fora da Europa nos sécs. XVIII e XIX
Congresso internacional

Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)
Centro de Artes (CEART); Programa de Pós-Graduação em Música (PPGMUS)
Florianópolis, Brasil, 4 a 6 de maio de 2016

Call for Papers

A prática musical de emigrantes alemães fora da Europa nos sécs. XVIII e XIX tem sido abordada pela musicologia histórica não somente na Alemanha. As práticas da Igreja Moraviana e dos “Pennsylvania Dutch” encontram-se documentadas, reconstruídas e contextualizadas; a vida musical nas colônias no Sul do Brasil do final do séc. XIX tem sido objeto de diversas dissertações nas universidades locais, e também as missões do Império Colonial Alemão na África foram pesquisadas sob o ponto de vista histórico-musicológico.

Continue lendo

Projeto Histórias Bilíngue Alemão/Português em Blumenau-SC atende 400 crianças

Foto: Joseane Pitz Kock / Divulgação

Foto: Joseane Pitz Kock / Divulgação

Projeto Histórias Bilíngue atende 400 crianças

Em duas semanas, o projeto que leva histórias bilíngue aos bairros visitou quatro escolas na Região das Itoupavas, na cidade de Blumenau-SC.

O Projeto Histórias Bilíngue Alemão/Português, desenvolvido pela Fundação Cultural de Blumenau e Secretaria Municipal de Educação, passou nesta terça-feira, dia 1º/9, pela EBM Pedro I, Itoupava Central. Na quinta-feira, dia 3, é a vez da EIM Professora Ella Eichstadt, na Vila Itoupava, receber esta novidade que circula pela Região Norte da cidade desde o dia 17 de agosto. Já foram visitadas quatro escolas, contemplando uma média de 400 estudantes.

Continue lendo

Livro escrito pelo alemão Max Humpl em 1918 ganha versão em português e resgata parte da história de Blumenau

Entre diários de família, correspondências e livros de receitas, vários manuscritos aguardam tradução - Foto: Rafaela Martins/Agência RBS).

Entre diários de família, correspondências e livros de receitas, vários manuscritos aguardam tradução – Foto: Rafaela Martins/Agência RBS).

Tesouro revisitado
Livro escrito pelo alemão Max Humpl em 1918 ganha versão em português e resgata parte da história de Blumenau

Manuscrito estava entre os documentos que aguardam tradução no Arquivo Histórico da cidade

Camila Iara

No início do século 20, Altona era um termo carinhoso usado para se referir a um bairro blumenauense que, mais tarde, seria batizado de Itoupava Seca. Conhecida na época pela independência econômica, principalmente no setor metalmecânico, em 1933 a região também emprestou o nome para uma das empresas mais tradicionais da cidade até hoje: a Electro Aço Altona. Quase cem anos depois, um livro viabilizado pela fábrica em parceria com o Fundo Municipal de Apoio à Cultura e a EdiFurb vai revisitar, através do olhar do professor alemão Max Humpl, a história das primeiras levas de imigrantes que desembarcaram no Vale do Itajaí.

Escrita originalmente na grafia sütterlin, utilizada na Alemanha entre 1915 e 1970, a obra Crônica Do Vilarejo De Itoupava Seca: Altona desde a Origem até a Incorporação à Área Urbana de Blumenau será lançada nesta quarta-feira, 19/08. O manuscrito, finalizado em 1918, foi doado pela família Humpl ao Arquivo Histórico de Blumenau e acabou nas mãos da historiadora Méri Frotscher e do mestre em Letras Adriano Steffler, que fizeram a tradução — primeiro para o alemão contemporâneo e depois para o português — com a ajuda do alemão Johannes Kramer.

Continue lendo

Duas línguas estrangeiras no primário não é exagero

O Francês na berlinda
Duas línguas estrangeiras no primário não é exagero

Por Sonia Fenazzi
Adaptação: J.Gabriel Barbosa

Enquanto o alemão é ensinado em todas as escolas primárias da Suíça francófona, o francês está ameaçado de ser abolido das escolas primárias na parte alemã. (Keystone)

Enquanto o alemão é ensinado em todas as escolas primárias da Suíça francófona, o francês está ameaçado de ser abolido das escolas primárias na parte alemã. (Keystone)

Duas línguas estrangeiras são demais para as crianças, garantem os autores de uma iniciativa visando impor um único idioma na escola primária. Já os especialistas defendem que os jovens alunos do nível básico têm prazer em aprender uma língua estrangeira. Desde que sejam adequadas às condições de ensino.

Seriam as crianças suíças menos inteligentes que as de Luxemburgo? A pergunta procede, quando se compara o Grão-Ducado – onde o ensino de duas línguas estranhas aos alunos do primário é aplicado sem problema – à Confederação Suíça, onde, nos cantões germanófilos (i.é, de língua alemã) cresce o número de pedidos para que se ensine apenas um idioma, adiando o outro para a escola secundária.

A reivindicação, apresentada por professores que alertam para o perigo de sobrecarregar os alunos, é lançada por canais políticos, através de ações parlamentares e iniciativas populares. Mas ela surpreende por diversos motivos, a começar pelo fato de que pesquisas sobre o cérebro humano depõem em favor de um ensino precoce de língua estrangeiras.

Continue lendo

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo