Alemão

Duas línguas estrangeiras no primário não é exagero

O Francês na berlinda
Duas línguas estrangeiras no primário não é exagero

Por Sonia Fenazzi
Adaptação: J.Gabriel Barbosa

Enquanto o alemão é ensinado em todas as escolas primárias da Suíça francófona, o francês está ameaçado de ser abolido das escolas primárias na parte alemã. (Keystone)

Enquanto o alemão é ensinado em todas as escolas primárias da Suíça francófona, o francês está ameaçado de ser abolido das escolas primárias na parte alemã. (Keystone)

Duas línguas estrangeiras são demais para as crianças, garantem os autores de uma iniciativa visando impor um único idioma na escola primária. Já os especialistas defendem que os jovens alunos do nível básico têm prazer em aprender uma língua estrangeira. Desde que sejam adequadas às condições de ensino.

Seriam as crianças suíças menos inteligentes que as de Luxemburgo? A pergunta procede, quando se compara o Grão-Ducado – onde o ensino de duas línguas estranhas aos alunos do primário é aplicado sem problema – à Confederação Suíça, onde, nos cantões germanófilos (i.é, de língua alemã) cresce o número de pedidos para que se ensine apenas um idioma, adiando o outro para a escola secundária.

A reivindicação, apresentada por professores que alertam para o perigo de sobrecarregar os alunos, é lançada por canais políticos, através de ações parlamentares e iniciativas populares. Mas ela surpreende por diversos motivos, a começar pelo fato de que pesquisas sobre o cérebro humano depõem em favor de um ensino precoce de língua estrangeiras.

Continue lendo

Rádios do RS analisam jogos da Copa em línguas brasileiras de imigração

Rádios do RS analisam jogos da Copa em dialetos europeus

por Vanessa Kannenberg

Emissora de Bento Gonçalves transmite informações no dialeto italiano vêneto e em Westáflia, outra rádio divulga as notícias em sapato-de-pau, derivado do alemão. Ambas pelas ondas do rádio e também na internet

Em Bento Gonçalves, emissora vai fazer concentração em cantina com comida típíca italiana em jogos da Itália - Foto: Cesar Lopes / Especial

Em Bento Gonçalves, emissora vai fazer concentração em cantina com comida típíca italiana em jogos da Itália – Foto: Cesar Lopes / Especial

A Copa do Mundo volta ao Brasil depois de 64 anos, mas nem por isso tudo é verde e amarelo por aqui. A partir desta quinta-feira, com o apito inicial do campeonato, pelo menos duas rádios gaúchas dão o pontapé em programações especiais sobre o Mundial em dialetos europeus.

Continue lendo

Os casais separados pelo teste de língua alemã

BERLIM (Reuters) – Michael Guhle conheceu o amor de sua vida na praia de uma pequena vila de pescadores no Vietnã. Thi Nguyen vendia mexilhões frescos cozidos e frutas na praia e quando Michael botou seus olhos sobre Thi Nguyen foi amor a primeira vista. Logo o trabalhador de Berlim  num lar de idosos estava economizando todo o seu dinheiro e dias de férias para visitar Nguyen.

O Casamento deveria junta-los. Em vez disso, foi o início de um longo calvário. AO governo alemão proibiu Nguyen de entrar no país depois que ela foi reprovada no teste de língua exigido aos imigrantes  – mesmo aqueles casados com alemães. “Eu pensei que se casar com a pessoa que você ama e viver junto é um direito humano”, disse Guhle em seu modesto apartamento de dois quartos na periferia de Berlim. “Aparentemente, este não é o caso na Alemanha.”

In this picture taken Tuesday, Feb. 11, 2014, Michael Guhle and his wife Thi An Nguyen from Vietnam sit in their apartment at the Weissensee district in Berl...
 Nesta foto Michael Guhle e sua esposa Thi Nguyen, sentados em seu apartamento no bairro de Weissensee, em Berlim, Alemanha

A Alemanha adotou regulamentos de fluencia no idioma alemão para imigrantes em potencial em 2007. A maioria dos países da UE – incluindo França, Itália, Espanha e Suécia – não exigem que cônjuges estrangeiros passem em testes de língua obrigatórios antes de se juntar aos seus parceiros na Europa. Áustria, Grã-Bretanha e Holanda estão entre os países que exigem testes de linguagem para que cônjuges estrangeiros entrem no país, mas especialistas dizem que prova da Alemanha é a mais difícil.

A Comissão Europeia criticou a lei alemã, dizendo que ela pode violar tratados europeus. É um desafio legal para o Tribunal de Justiça Europeu, esperado para ser ouvido neste mês. Como as coisas estão, no entanto, os casais binacionais como Guhle e sua esposa enfrentam desafios caros e intimidativos.

leia Mais

Exposição em SP aproxima língua alemã dos brasileiros

“Alemanha de A a Z” apresenta cultura e história do país europeu por meio das 26 letras do alfabeto e introduz iniciantes ao cotidiano alemão. Mostra fica em cartaz até junho no Museu da Língua Portuguesa.

Começando pelo A, de Arbeit (trabalho), e passando por U, de Umwelt (meio ambiente), a exposição “Alemanha de A a Z” aborda os mais variados temas relacionados à cultura do país: de futebol e culinária a nazismo, imigração turca e Muro de Berlim.

Com objetos, vídeos, textos e áudios, a exposição interativa introduz iniciantes à vida na Alemanha. “Serve como uma primeira aproximação”, explica Susanne Gattaz, coordenadora educativa da mostra. Apesar de ser apenas uma introdução, “Alemanha de A a Z” não deixa de apresentar aspectos negativos da história e de certos traços culturais alemães.

Na letra O, de Ordnung (ordem), por exemplo, é possível ler um comentário crítico sobre o país: “Pesquisas mostram que três quartos de todos os alemães acima de 14 anos consideram a ordem uma virtude, mas quando se trata deles mesmos, fazem vista grossa.”

Para as estudantes Beatriz e Juliane, de 15 anos, a exposição permitiu conhecer um pouco mais da Alemanha. “Só sabíamos do nazismo, porque aprendemos no colégio. Agora deu para ver que tem muito mais coisa”, disseram. Elas ficaram curiosas com a pronúncia e as músicas. “Não entendi muita coisa, mas achei legal”, conta Juliane.

Leia Mais

Juiz de direito defende o ensino do alemão nas escolas de Santa Catarina

Márcio Schiefler Fontes diz que Estado está testemunhando sua herança linguística minguar

 “No mundo inteiro o multilinguismo se consolida como uma das marcas da educação de qualidade. A onipresença da língua inglesa não suprimiu a necessidade e a vantagem do conhecimento de outros idiomas. Ao contrário, alguns outrora tidos como exóticos (para ficar no japonês nos anos 90 e no mandarim neste início de século) despontam como de grande interesse comercial, turístico e mesmo acadêmico. Enquanto alguns buscam um caminho a seguir, Santa Catarina testemunha sua rica herança linguística minguar geração após geração.http://www.joinville.sc.gov.br/public/portaladm/imagens/fotos/thumb-56a0f7449911a4c0ab4188d605676d28.JPG

 Como primeira língua, o alemão é o idioma mais difundido na Europa. Sua posição proeminente entre as línguas internacionais (rol em que também figura nosso português), com mais de 200 milhões de falantes no mundo, e a posição central da Europa germânica o promovem naturalmente como língua franca dos negócios e de conexão entre diversos povos. Sua semelhança com vários outros idiomas (holandês, ídiche, as línguas nórdicas, o próprio inglês) o torna ferramenta de acesso a inúmeras culturas. Um fator decisivo de expansão da língua alemã no mundo foram as sucessivas levas de migrantes que deixaram a Europa central ao longo de centenas de anos com destino à Europa Oriental, à Grã-Bretanha, às Américas.

 Santa Catarina ocupa papel de destaque nessa história, o que só torna mais gritante a ausência de uma política educacional clara de valorização desse potencial que se esvai diante dos olhos, demandando investimento inversamente proporcional à demora de o resgatar. Enquanto a diversidade e a particularidade dos dialetos alemães ainda praticados em SC (Plattdeutsch, Westfälisch, Hunsrückisch) levam alguns pesquisadores a cogitar uma variante própria, o Katharinensisch, nem a rede pública nem a rede particular demonstram aptidão para a importante tarefa. Faltam-nos energia, competência, enfim, vontade.”

Fonte: Diário Catarinense.

A memória da repressão às línguas de imigração na recuperação de um Atlas Geográfico

Editorial IPOL

Um exemplar do Atlas Geográfico (UNIVERSAL ATLAS, escrito por Friedrich Volckmar e publicado em meados de 1909 em língua alemã), foi salvo por um menino de uma fogueira destinada à destruição de publicações didáticas em línguas de imigração, por volta da época da segunda Guerra Mundial (1939-1945). O aluno teria visto o livro “escorregar” entre a pilha de livros em chamas no pátio da Escola Isolada da Estrada Carolina, no interior do município de Gaspar em Santa Catarina.

Segundo a professora aposentada Edith Manke, este aluno, com receio da forte repressão linguística* que ainda imperava, manteve a publicação escondida no sótão de sua casa até decidir entregá-lo novamente à escola. Muitos anos mais tarde e pelo fato de D. Edith lecionar em língua alemã nesta mesma escola, o Atlas Geográfico acabou ficando sob sua responsabilidade.

atlas 1

 

atlas

Fotos de antes e depois da restauração feita no Atlas

No ano de 2012, a equipe de pesquisadores do IPOL no âmbito do Projeto “Receitas da Imigração: Língua e Memória na Preservação da Arte Culinária” tiveram o privilégio de conhecer um pouco da história de vida de D. Edith e sua ligação com a localidade da Estrada Carolina. Na ocasião, ela nos confiou a posse deste documento histórico. Para ela, mais importante do que estar de posse do Atlas é fazer como que sua história seja conhecida e preservada.

Leia Mais

Dicionário Português-Renano disponível on-line

Organizado pelo professor André Kuster-Cid, o dicionário português-renano conta com mais de 2300 vocábulos e relata algumas curiosidades da linguá renana.

Lançado neste mês durante o 25ª Festival da Imigração Alemã (Sommerfest), o dicionário visa fortalecer, preservar e divulgar as características culturais dos imigrantes germânicos no Brasil, em especial no Espirito Santo. O dicionário é mais um bela iniciativa no intuito de enriquecer a diversidade linguística presente no Brasil, bem como o respeito a diversidade cultural brasileira.

Confira no link abaixo a versão digital do livro.

https://drive.google.com/file/d/0B9ZHaIkBM0g_RHkzV1Z6cjVoa2M/edit?usp=sharing

Dialetos e migração alemã

Sprechen Sie Deutsch? Como variações linguísticas afetam onde os alemães escolhem viver

Poucos alemães agora dizem Appel , em vez de Apfel (maçã) ou maken em vez de machen (fazer). Os dialetos do norte da Alemanha que usam tais variantes estão em sua maioria mortos ou morrendo. Mas as diferenças culturais ainda refletem o comportamento de hoje, diz o documento do Instituto para o Estudo do Trabalho, em Bonn * .

Agindo sob ordens imperiais na década de 1880, um lingüista chamado Georg Wenker pediu a alunos de 45.000 escolas de todo o novo Reich para traduzirem frases do alemão padrão em dialeto local. Os resultados foram usados ​​para compilar um atlas da diversidade linguística. O novo estudo mostra que as regiões de dialeto abordadas por Wenker ainda definem as zonas de conforto em que os alemães preferem viver. Quando as pessoas migram dentro da Alemanha, eles tendem a ir a lugares onde haja dialetos falados semelhantes ao de sua região de origem há 120 anos.

Dialetos alemães, formados pela geografia e pela fragmentação política e religiosa, expressam diferenças culturais profundas. Estas persistem apesar das fronteiras entre principados menores serem invisíveis (e muitas vezes já não audíveis). Mesmo pequenas diferenças contam. Suevos compartilhavam Baden-Württemberg com Badeners. Ambos falavam dialetos Alemannic. Mas Suevos, que dizem Haus (casa), têm um preconceito contra a vizinha do velho grão-ducado, onde dizem Huus . Leia Mais

Mostra de Cinema Alemão

Evento acontece de 20 a 27 de fevereiro, no Sesc.
Começou nesta quinta-feira (20) a Mostra Encontro com o Cinema Alemão, que ocorre simultaneamente em 21 cidades catarinenses. Realizada pelo Sesc, em parceria com o Goethe Institut, a programação especial é um desdobramento do ano da Alemanha no Brasil e traz um fragmento da safra de filmes produzidos no final do século 20 e início do século 21 no país.
Para compor a mostra, foram selecionados 10 filmes que configuram o recorte de um cinema articulado com as questões contemporâneas da sociedade ocidental e com dois temas de grande impacto na história do país: a Segunda Guerra Mundial e a vida na Alemanha Oriental com a unificação do país, revisitados por seus cineastas nas questões vivenciadas pelo homem comum. Entre os filmes estão os elogiados Adeus Lenin (2003), de Wolfgang Becker,4 dias em maio (2011), de Achim von Borries, e Bem-vindo à Alemanha(2010), dirigido por Yasemin Samdereli.

Mostra Encontro com o Cinema Alemão ocorrerá entre os dias 20 e 27 de fevereiro, no Teatro Sesc Prainha, em Florianópolis. As sessões acontecerão diráriamente às 20h e no final de semana também às 18h. A entrada é gratuita.

Confira a programação no  Blog Receitas da imigração.

O Dicionário Português-Renano e a valorização das línguas brasileiras: entrevista com André Kuster-Cid

Editorial IPOL
 

O Hunsrückisch é língua cooficial nos municípios de Antônio Carlos, em Santa Catarina, e Santa Maria do Herval, no Rio Grande do Sul e agrega uma extensa comunidade linguística no Brasil.

No momento em o governo brasileiro, através do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) conduz a implementação da Política do Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL) criada pleo Decreto 7. 387 de 09 de dezembro de 2010, e no momento em que municípios brasileiros reconhecem as línguas de seus cidadão através de políticas de cooficialização, como é o caso de Antônio Carlos, que agora implementa ações em prol do Hunsrückisch, o lançamento do Dicionário Português-Renano em Domingos Martins, no Espírito Santo,  representa um estímulo ao desenvolvimento dessas e outras politicas linguísticas  de promoção e valorização das línguas brasileiras.

Como agente e co-partícipe na formulação dessas e outras politicas linguísticas, o IPOL saúda a iniciativa da publicação e entrevista seu organizador, o pesquisador André Kuster-Cid.

E: Porque o título do dicionario é Português-Renano e não Português-Hunsrikisch?

O nome do dicionário é “Dicionário Português-Renano (“Hunsrikisch”). A escolha do nome “Renano” se deu por 3 razões principais:

a) Não existe nem nunca existiu nenhuma unidade política chamada “Hunsrük”. O nome Hunsrück é um conceito geográfico, como “Serra da Mantiqueira”. A província alemã de onde vieram a maioria dos alemães para o Brasil chama-se “Prússia Renana”.

b) Na Dialetologia Germânica não existe nenhum dialeto “Hunsrück”. O que “Hunsrück” é parte da família de dialetos conhecidos como Dialetos Franco-Renanos, que inclui também o Luxemburguês e o Hessiano, povos que também imigraram para o Brasil  mas que NÃO vieram do Hunsrück.

c) Toda língua tem seu endônimo (o nome da língua da própria língua) e seu exônimo (o nome da língua em outras línguas). Assim, não dizemos que alguém fala “nihongo”. Dizemos que fala japonês. A palavra “hunsrik, hunsrikisch, hunsriqueano” são pouco eufônicas por serem estranhas à Fonologia do português brasileiro. Não existem palavras em português com a sequência consonantal “nsr”.

A palavra “Hunsrück” é difícil de ser lembrada por não falantes, o que complica  sua retenção por políticos, autoridades culturais e população em geral.

Leia Mais

Facebook

Visite site Oficial

1ºENMP (clique na imagem)

Receba o Boletim

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Nossas publicações

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo