“Promover a integração do Português nos currículos das escolas alemãs é o nosso principal objetivo”

o_article_64383A ligação de Rui Azevedo ao Camões, I.P. começou há 20 anos, mas nos últimos 12 anos dedicou-se a dinamização do ensino da Língua Portuguesa em África, primeiro enquanto leitor em Moçambique e depois como coordenador na África do Sul, Namíbia, Suazilândia e Zimbabué. Agora chegou a hora de abraçar um novo desafio: em julho último, Rui Azevedo iniciou funções como coordenador do Ensino Português na Alemanha, país onde crê que o futuro passa por valorizar a imagem do Português Língua de Herança nas escolas alemãs “de modo a que o ensino da Língua Portuguesa (pelo Estado Português) seja progressivamente reconhecido como parte integrante da oferta das escolas”.

O que o levou a aceitar este cargo e quando o assumiu?
Depois de 12 anos a trabalhar em África, primeiro enquanto Leitor do Camões, I.P. na Beira, Moçambique, depois como Coordenador do Ensino Português na África do Sul, Namíbia, Suazilândia e Zimbabué, achei que necessitava de um novo desafio. Surgiu a oportunidade de apresentar a minha candidatura a Coordenador de Ensino na Alemanha e aproveitei-a.
A Alemanha é um país com uma estrutura com mais docentes, com outro tipo de projetos e de programas, mas no fundo, onde existe o mesmo objetivo comum, a promoção, difusão e internacionalização da Língua Portuguesa, enquanto Língua de Herança ou Língua Estrangeira.
Iniciei funções muito recentemente, em julho último, daí ter contado com a prestimosa colaboração da Dra. Carla Sofia Amado, Adjunta de Coordenação, ainda em funções, a quem agradeço imenso todo o apoio que me tem dado.

Quais são as suas principais metas?
Pretendo, em estreita articulação com a Embaixada de Portugal em Berlim e com os Consulados-Gerais em Dusseldorf, Estugarda e Hamburgo e obviamente com o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., verificar quais as áreas prioritárias para a consolidação de uma rede de ensino qualificada com base na racionalização dos recursos e meios disponíveis, no âmbito da aprendizagem ao longo da vida, não descurando a importância de que se reveste a atualização científica e pedagógica dos docentes da estrutura de coordenação.

Na sua opinião, que futuro poderá ter a aprendizagem do Português num país com  presença de comunidade portuguesa: uma língua de identidade comunitária ou uma língua estrangeira, com importância económica?
Existe uma longa cooperação entre o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. e o Estado Alemão em matéria de ensino do Português Língua de Herança e Língua Estrangeira.
Existiu sempre um objetivo concreto de possibilitar às crianças portuguesas migrantes, assim como às crianças alemãs com contexto migratório português, a continuidade dos seus conhecimentos linguísticos na Língua de Herança.
No entanto, não é aqui que se esgota o ensino do Português na Alemanha, também devido ao que refere (a importância do Português a nível económico). O futuro passa, por esse motivo, por uma junção de ambas as coisas: valorizar a imagem do Português Língua de Herança nas escolas alemãs, junto de toda a comunidade escolar – direções, professores e alunos (portugueses e alemães), de modo a que o ensino da Língua Portuguesa (pelo Estado Português) seja progressivamente reconhecido como parte integrante da oferta das escolas.

A nível do ensino básico e secundário, há a possibilidade de abertura de novos cursos de português na Alemanha?
Pretendo ir fazendo um acompanhamento estreito das necessidades decorrentes das novas localizações geográficas da mais recente vaga migratória portuguesa e lusófona, sendo que, sempre que se justificar, se abrirão novos cursos para dar resposta a essas necessidades.
Qualquer rede de ensino tem de ser pensada em função de possíveis reestruturações, em função das necessidades que vão surgindo.

Quais são as principais metas a nível do ensino superior?
O ensino do Português a nível do ensino superior na Alemanha encontra-se em forte dinamismo, pelo que o projeto é identificar novas instituições do ensino superior, com as quais cooperar, assim como solidificar os protocolos já existentes, criando novos encontros académicos e desenvolvendo atividades culturais, de âmbito académico, que proporcionem visibilidade da Língua e Cultura Portuguesas.

Que atividades de complemento ao ensino pretende desenvolver?
Como iniciei funções há muito pouco tempo, tenho primeiro de fazer uma avaliação daquilo que já foi feito e verificar as áreas de atuação que poderão ser dinamizadas.

A nível da formação de professores irá haver alguma atividade?
Sim, várias. As coordenações de ensino apresentam anualmente um Plano de Atividades de Formação com o objetivo de promover a atualização científica e pedagógica dos docentes que fazem parte da rede, professores e leitores e, sempre que possível, alargamos as nossas ações a professores, que não fazendo parte da nossa estrutura, trabalham igualmente com a Língua Portuguesa nas escolas dos vários Estados Federados.

Que futuro pensa que possa ter o ensino do português na Alemanha?
O futuro, a meu ver, passa naturalmente pela definição conjunta de políticas linguísticas e normativas para o Português com o Estado Alemão. Desse modo, estreitando a comunicação, conseguir-se-á cada vez mais obter o apoio das escolas alemãs no sentido de integrar e reconhecer os cursos já existentes de Português nas suas ofertas. Na verdade, promover a integração da Língua Portuguesa nos currículos das escolas alemãs é o nosso principal objetivo.

 Fonte: Mundo Português

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo