Pós-graduandos indígenas ganham espaço na UnB

A Universidade de Brasília, uma das primeiras a formar pós-graduados indígenas, aumentou o número de alunos mestrandos e doutorandos de etnias indígenas. Hoje, no total, são seis alunos pesquisadores – dois no mestrado e quatro no doutorado. Os estudos desenvolvidos por eles são voltados para aspectos discursivos e gramaticais de suas línguas nativas. O objetivo é manter fortalecida sua língua de origem.

Em 1999, foi criado o Laboratória de Línguas Indígenas (LALI) pelo professor Ayron Dall’Igna. Atualmente, o LALI é coordenado pela professora orientadora das pesquisas, Ana Suelly Cabral. O laboratório conta com a colaboração das pesquisadoras Enilde Faulstich e Rozana Reigora, do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas (LIP) e tem apoio de outras universidades nacionais e internacionais.

Beatriz Pataro
Professora Ana Suely Cabral durante aula no Laboratório de Línguas Indígenas

A entrada dos indígenas no programa de pós-graduação começou a ganhar força há cinco anos, quando teve início o programa de inclusão social na universidade. Todos são nativos de aldeias das regiões do Acre e do Alto Xingu e falantes das línguas  Huni Kuin, Laklanõ,  Ypawu, Mehinako, Awety e Kamayurá, e Nahukwa.

Para os índios, o processo de adaptação e aprendizado não é tarefa fácil. Eles enfrentam vários obstáculos, principalmente por ainda serem vítimas de preconceito. No âmbito acadêmico, sofrem com a visão estereotipada que existe a respeito deles. Muitas vezes, não tem perfil compatível com o que é exigido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), agência de fomento à pesquisa que consolida e aprova trabalhos de pós-graduação no país.

São aprendizes tardios da língua portuguesa e não estão totalmente adaptados ao método tradicional de ensino que é usado nas universidades. Para as aulas teóricas, são desenvolvidas metodologias idealizadas pela orientadora, que facilitam a aprendizagem das teorias a partir de dados de suas próprias línguas e culturas, que servem para facilitar o aprendizado. “Tive experiências com tribos e línguas diferentes. Isso me ajudou a desenvolver metodologias de ensino e análise linguística que beneficiam a aprendizagem dos alunos”, disse a orientadora.

A intenção da maioria dos estudantes é voltar para suas aldeias,  mas continuar em contato com o meio acadêmico. “É possível que tenhamos no futuro linguistas indígenas professores e pesquisadores nas universidades. Se isso acontecer, veremos concretizadas políticas linguísticas que reconhecem a importância da vida de 180 línguas indígenas faladas no Brasil”, disse Cabral.

Mesmo com todos os impasses, a força de vontade dos alunos é maior. Para eles, todo dia é dia de UnB. De segunda a sexta-feira, passam um período do dia fazendo pesquisas e estudando no LALI. Quando foram apresentadas as primeiras dissertações de pesquisas realizadas por indígenas, o resultado chamou atenção de diversos olhares para o trabalho desenvolvido e mostrou a capacidade de superação que possuem.

A participação em congressos e apresentações de trabalhos é intensa. Neste mês, os doutorandos Nanbla Gakran, falante da língua Laklanõ, e Wary Kamiurá, que fala Awety e Kamayurá,  foram para Suécia apresentar trabalhos sobre suas línguas e culturas em congresso internacional. Eles também vão participar de workshops que tratam dos temas tempo e espaço, gerúndio e alinhamento no âmbito da linguística.

Para entrar na pós-graduação da UnB, eles passam por rigoroso processo de seleção, com fases de provas escritas e entrevistas.  São avaliados por testes diferenciados e banca composta com profissionais com habilidade de julgar quais deles têm vocação para estudos linguísticos. Para a seleção do doutorado, é necessário fazer prova de inglês, que é um dos maiores desafios.

Para a orientadora, a oportunidade de estar na universidade é uma experiência muito rica para os indígenas. “O ensino aqui adquirido serve para mudar para melhor o ensino em suas línguas nas escolas das aldeias”, comentou.

Fonte: Campus Online.

Deixe uma resposta

Facebook
Visite site Oficial
1ºENMP (clique na imagem)
Receba o Boletim
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Nossas publicações
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo