Portugal e Luxemburgo vão assinar acordo para organizar formação profissional em português

José Luís Carneiro esteve hoje reunido com o ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit.
Foto: Guy Jallay

Os Governos de Portugal e do Luxemburgo deverão assinar até final de março um acordo que vai permitir a organização de formação em língua portuguesa para trabalhadores imigrantes, sobretudo no setor da construção.

O anúncio foi feito hoje pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, após um encontro com o ministro do Trabalho do Luxemburgo, Nicolas Schmit. “O objetivo é estabelecer um quadro de oferta de formação profissional em língua portuguesa, com materiais de apoio em português”, para permitir aos trabalhadores portugueses no Luxemburgo o acesso à “formação contínua, formação profissional e reconhecimento das competências técnicas específicas”.

O acordo vai abranger principalmente o Instituto de Formação Setorial da Construção (IFSB, na sigla em francês), mas o ministro do Trabalho do Luxemburgo disse que gostaria de incluir também a Câmara dos Assalariados e a Câmara dos Ofícios, que também organizam formação contínua. “Precisamos de mão-de-obra com formação na área da construção e noutros setores manuais, e queremos dar oportunidade a todas as pessoas de aceder à formação”, afirmou Nicolas Schmit.

Desde 2002 que a lei luxemburguesa exige um diploma emitido pelo Instituto de Formação Setorial da Construção (IFSB) para progredir no escalão profissional e poder aumentar o salário. Os cursos são necessários também para os trabalhadores desempregados que querem obter novas competências. O problema é que, para os imigrantes portugueses, que representam a maioria dos trabalhadores no setor, isso significa fazer formação e exames em luxemburguês, alemão ou francês, idiomas que a maioria não domina, ficando impossibilitados de aceder a essa formação.

“Muitos formadores são de origem portuguesa, o que já ajuda, mas agora queremos criar um quadro para facilitar a cooperação ao nível da formação profissional, sobretudo no setor da construção, facilitando a utilização da língua portuguesa”, disse Nicolas Schmit. “Vamos trabalhar para criar um quadro para que ninguém seja excluído da formação por razões linguísticas”, acrescentou.

O SECP manifestou a disponibilidade de Portugal “para financiar um manual em língua portuguesa para os trabalhadores [do setor da construção]” e para colaborar com o Luxemburgo. “As agências de formação profissional, sob a responsabilidade dos ministros do Trabalho dos dois países, vão trabalhar conjuntamente para este objetivo”, afirmou.

A reunião de trabalho tinha apenas um ponto na agenda: a formação profissional em português para os trabalhadores portugueses no Luxemburgo, especialmente no setor da construção.

A reunião de trabalho tinha apenas um ponto na agenda: a formação profissional em português para os trabalhadores portugueses no Luxemburgo, especialmente no setor da construção.  Foto: Guy Jallay

O ministro do Trabalho do Luxemburgo disse também que, “havendo a possibilidade ou a necessidade de ter formadores vindos de Portugal”, é “claramente a favor”, nomeadamente para outros setores que não a construção, onde já há professores de origem portuguesa. “A maioria dos formadores atuais, sobretudo no setor da construção, são pessoas de origem portuguesa, e não têm dificuldades para falar em português com as pessoas que não dominam o francês”, explicou.

O ministro do Trabalho disse querer “avançar rapidamente” para concretizar este objetivo, prevendo que o acordo possa ser assinado até “final de março”.

A possibilidade de organizar cursos de formação em língua portuguesa é uma reivindicação antiga da central sindical luxemburguesa OGB-L, mas apesar de ter sido constituído um grupo de trabalho entre os Governos dos dois países, em 2008, essa hipótese nunca se concretizou.

Afirmando estar muito satisfeito com este acordo, o secretário de Estado das Comunidades apontou no entanto “a importância de os trabalhadores portugueses aprenderem uma das línguas [do país], como o francês”, não só “para a sua integração profissional, como social”.

Fonte: Wort Luxemburgo

Deixe uma resposta

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Revista Platô

Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo