Professora indígena de Rondônia ganha prêmio de educadora do ano

PROFESSORA ELISÂNGELA DELL-ARMELINA SURUÍ É A EDUCADORA DO ANO DE 2017 (FOTO: RENATO PIZZUTTO/FVC))

As crianças da comunidade indígena Paiter, na cidade de Cacoal, a 400 quilômetros de Porto Velho (RO) estavam com dificuldades de aprender a ler e escrever. O povo, que teve o primeiro contato com o homem branco em 1968, mantém preservada boa parte de suas tradições, inclusive a língua, que ainda é a mais falada por lá.

O problema é que não existe muito material didático na linguagem dos Paiter, e os escritos em português eram muito difícil de ser assimilado pelas crianças. A professora Elisângela Dell-Armelina Suruí não viu outra alternativa e decidiu preparar o próprio material didático. Nasceu assim o projeto “MamugKoeIxoTig”.    Continue lendo

MEC garante mais apoio à educação de surdos

Fonte: Folha PE

Ampliar as políticas de afirmação de pessoas com problemas auditivos. Foi o que garantiu o ministro da Educação, Mendonça Filho, durante entrevista

O Ministério da Educação (MEC) afirmou, nessa segunda-feira (06), que busca ampliar a acessibilidade e políticas de afirmação de surdos. Segundo o gestor da pasta federal, Mendonça Filho, está incluída na proposta da Base Nacional Comum Curricular, a formação adequada de professores. O treinamento específico é o passo para “uma política pública cada vez mais inclusiva, respeitando a condição específica dos surdos ou daqueles que têm deficiência auditiva no nosso País”, afirmou.  Continue lendo

I Simpósio Alma Linguae: Diversidade e Contatos Linguísticos worldwide

O I Simpósio Alma Linguae é um evento promovido pelo Centro de Estudos Europeus e Alemães (CDEA) em conjunto com o Programa de Pós-Graduação em Letras / UFRGS a ele vinculado. Conta, além disso, com a participação efetiva de alunos e professores da área de Licenciatura e Bacharelado em Letras Alemão, da UFRGS, tendo em vista o foco central das parcerias entre Brasil e Alemanha, no âmbito da Germanística e da Romanística.

O evento está concebido como uma reunião de formação e pesquisa em temas ligados a situações de plurilinguismo e de contato linguístico, em âmbito internacional. Para tanto, foram selecionadas 23 palestras de 30-45min, em que se buscou contemplar diferentes línguas e contextos de pesquisa da área. Seja como palestrante, seja como ouvinte, sinta-se abrigado neste grande debate em torno da dinâmica que move a “diversidade e os contatos linguísticos weltweit”.

Conheça a PROGRAMAÇÃO

Parceria: PPG-Letras / UFRGS e Centro de Estudos Europeus e Alemães – CDEA UFRGS PUCRS
Cluster do CDEA com o qual contribui o evento: Diversidade Cultural
Linha de Pesquisa do PPG-Letras / UFRGS: Sociolinguística
Grupo de Pesquisa / Diretório do CNPq: Alma Linguae: Variação e Contatos de Línguas Minoritárias
Instituto de Letras / UFRGS: Setor de Língua e Literatura Alemã

Fonte: Alma Linguae

Derrubando Barreiras

Foto divulgação

Pesquisa desvela as línguas de imigração no Espírito Santo

A travessia do Atlântico era apenas o começo de uma epopeia para italianos, espanhóis, suíços, pomeranos, alemães, prussianos, poloneses e outros, que tinham como ponto fi nal da sua viagem algum lote de terra na então província do Espírito Santo, a partir de meados do século XIX. Dos navios às canoas, os imigrantes percorriam os leitos dos rios e depois desbravavam fl orestas, caminhando por alagadiços e abrindo picadas nas matas virgens, seguindo os passos de guias que os levavam até o terreno prometido. Isolados, pois os povoados fi cavam a quilômetros de distância, esses grupos aos poucos foram vencendo as adversidades da natureza, mas ainda enfrentam a difi culdade da língua.
Continue lendo

Revista Universidade

Capa Edição 07

Publicação da Universidade Federal do Espírito Santo com o objetivo de publicizar, via jornalismo de divulgação científica, a produção do conhecimento gerada por seus pesquisadores, bem como divulgar ações nas áreas do ensino e da extensão. A revista é editada pelo Núcleo de Divulgação Científica da Superintendência de Cultura e Comunicação.

 

Acesse pelo link Revista Universidade

Ronaldo Tenório, empreendedor digital: “O surdo vive como estrangeiro dentro de seu país”

Alagoano, escolhido pelo Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) um dos jovens mais inovadores do mundo, veio ao Rio para seminário no Museu do Amanhã.

“Tenho 31 anos, moro em Maceió e sou publicitário, com especialização em Comunicação Estratégica. Sempre gostei de misturar tecnologia e comunicação. Na faculdade, tive a ideia de facilitar a comunicação com os portadores de deficiência auditiva. Criei um aplicativo que faz a tradução para a Língua Brasileira de Sinais.”

Conte algo que não sei.

No Brasil, 70% dos deficientes auditivos têm dificuldade com o português. A gente aprende a ler e escrever pela fonética: vai ouvindo, falando e escrevendo. Como o surdo não tem a fonética, encontra dificuldades para relacionar a escrita ao som, e as palavras viram coisas soltas. A experiência da comunicação visual faz muito mais sentido. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo