O (des)acordo volta a rachar a língua portuguesa

acordo0

Foto João Carlos Santos

O Presidente dos consensos meteu a língua num vespeiro. Ao reabrir a discussão sobre Acordo Ortográfico, Marcelo Rebelo de Sousa reacendeu os ânimos de partidários e opositores. Aqui não há mesmo consensos possíveis

Texto: Christiana Martins, Com Isabel Leiria

Para quem gosta de gerar consensos, Marcelo Rebelo de Sousa escolheu mal o tema. O acordo ortográfico (AO) continua a mover paixões e a dividir os especialistas e a intenção do Presidente da República de promover nova discussão sobre o documento, caso falhem as vias diplomáticas de ver o texto ratificado por Angola e Moçambique, reavivou os ânimos de defensores e opositores.

Já está tudo a mexer-se no mundo da linguística. Esta terça-feira, o Ministério dos Negócios Estrangeiros dará uma conferência de imprensa sobre as “iniciativas do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura da CPLP”, que se comemora na quinta-feira. Um evento que também não ficará imune à polémica.

O “pai” do acordo ortográfico, o linguista João Malaca Casteleiro, diz ao Expresso que está “muito apreensivo” com a possibilidade de reabrir o debate. Embora aceite a hipótese de se proceder a acertos de conteúdo, defende que, em primeiro lugar, os países de língua portuguesa deveriam ratificar o documento e só depois modificá-lo. Porque, sustenta, “num acordo é preciso transigir”.

“Se Angola visse que todos os outros países tinham aprovado o acordo, também acabaria por aderir. O que falta é recorrer à via diplomática, que não tem sido devidamente exercida”, afirma o linguista. Casteleiro avança que Moçambique — país que, juntamente com Angola, ainda não ratificou o AO —, já elaborou o vocabulário ortográfico nacional, elemento considerado essencial para dar seguimento ao acordo, o que, na sua opinião, significa um avanço em direção à adoção da nova ortografia. “Fiquei surpreendido por ver o Presidente meter-se numa questão tão complexa e que será prejudicial ao futuro da língua portuguesa no mundo.”

acordo1

Foto João Carlos Santos

 O ex-vice-reitor da Universidade do Minho e professor jubilado de Literatura Vítor Aguiar e Silva, por sua vez, mostra-se satisfeito com a possibilidade de se voltar a discutir o AO. “É uma intenção bem-vinda porque, do ponto de vista jurídico-formal, a situação era pouco transparente e o fundamental, do ponto de vista linguístico, é que prejudica gravemente a língua portuguesa, afastando-a das línguas europeias (românicas e germânicas).”

O professor reconhece, contudo, que uma eventual revogação do AO trará sempre “graves prejuízos de ordem material, para pais e editoras, e cultural, para as crianças que já se alfabetizaram com as novas regras”. Mesmo assim, “vale a pena suspendê-lo”, afirma Vítor Aguiar, defendendo que, num eventual reexame, deve ser convocada a participação da Academia das Ciências de Lisboa.

O presidente desta instituição de consulta do Governo para questões linguísticas, Artur Anselmo, em nome da Academia, diz ao Expresso que “é propício que se reabra a discussão”. “A academia respeita a opinião individual dos académicos acerca da aprovação, ou não, do AO90. Não lhe compete, por isso, tomar partido sobre uma questão que está longe de suscitar unanimidade dos que usam a língua portuguesa na sua forma escrita. Quando muito, compete-lhe chamar a atenção para a necessidade de um consenso nacional, que, aliás, só poderá ser fruto de reunião alargada entre partidários e adversários do referido acordo, através de instituições representativas da comunidade científica.

Individualmente, Artur Anselmo, também filólogo e linguista, “com 40 anos de serviço à língua portuguesa”, vai mais longe: “Sou favorável ao respeito das ortografias nacionais e o que aconteceu em Portugal foi de uma enorme ligeireza, um ato despótico, porque este não é um problema político nem diplomático, é uma questão científica”. Sublinha ainda que, para adoção do AO90, a academia nunca foi consultada: “Nunca tocou o nosso telefone”.

Carlos Reis, um dos professores cuja imagem ficou mais associada à defesa do acordo, lembra que “a intenção manifestada pelo Presidente da República de reabrir a discussão é ainda vaga e difusa”. Diz que parece estar “inquinada por contradições que são as do próprio prof. Marcelo Rebelo de Sousa acerca do assunto”. Lembra que, “no passado e conforme o Expresso notou, o prof. Marcelo Rebelo de Sousa teve um ‘percurso equívoco’ em relação ao AO – ora rejeitou, ora aceitou”, para concluir que “ficar pela discussão sobre o AO é pouco e é arriscado”.

“É pouco, porque o AO deveria ser entendido como aquilo que nunca foi: um instrumento entre outros (e nem sequer o mais importante), no quadro de uma política de língua com visão estratégica e com capacidade de congregar os esforços e o compromisso de outros países de língua oficial portuguesa; se é nisso que o PR está a pensar, muito bem, porque é isso que lhe compete por força dos poderes que tem. E muito tem a fazer nesse domínio”, conclui Carlos Reis, recordando que, “a este propósito, valerá a pena pensar o que acha o Governo, porque lhe cabem funções executivas que lidam

acordo2

Foto Nuno Botelho

Fraturas expostas

O tema é de tal forma fraturante que o presidente da Associação Portuguesa de Escritores prefere falar a título individual do que em nome da instituição. José Manuel Mendes diz que, “tal como se encontra, o AO é nocivo e a posição de reponderação, que está por trás da intenção do Presidente, é muito adequada, porque o acordo não deve continuar em vigor”.

Para Edviges Ferreira, presidente da Associação de Professores de Português (APP), “independentemente da posição da APP sobre o acordo ortográfico, seria um descalabro abrir essa questão”. “Neste momento, não há nenhum aluno do 1º ano ao 12º que aprenda e escreva de acordo com a antiga grafia. Todos os manuais escolares estão feitos com as regras do AO. Todos os documentos oficiais foram adaptados. Foram gastos milhares de euros a montar este sistema.” Edviges Ferreira diz que é preciso ser-se “coerente e responsável”: “Se quisessem pensavam nessas questões antes de ratificar o AO ou um ano ou dois depois. Não agora. O debate até pode ser aberto, mas não se justifica voltar atrás. As dúvidas que são levantadas são-no apenas por uma faixa etária mais envelhecida que não aceita estas mudanças”.

No segundo semestre, em setembro ou outubro, um congresso de professores de Português vai reunir partidários e adversários do acordo na Escola Secundária Pedro Nunes, onde o próprio Marcelo estudou. E, sobretudo, explica Rosário Andorinha, presidente da Associação Nacional de Professores de Português (ANPROPORT), o evento vai “lançar as bases para a realização de um referendo sobre o tema”.

A professora explica ainda que “os prejuízos causados por este AO são demasiados e as crianças não podem continuar a ser penalizadas”. Uma das soluções, defende Andorinha, passaria pela adoção de um período transitório, no qual as duas grafias fossem aceites nas avaliações. Mas, antes do congresso e do referendo, a ANPROPORT será autora de duas ações jurídicas contra o acordo, uma em defesa dos professores e outra dos alunos, avançando nos tribunais contra o (des)acordo.

Facebook
Visite site Oficial
1ºENMP (clique na imagem)
Receba o Boletim
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Nossas publicações
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo