Museu da Língua Portuguesa apresenta encontro de poesia na FLUP

Evento de ‘slam’ foi realizado na abertura do Rio Poetry Slam, no dia 10, na FLUP – Festa Literária das Periferias, no Vidigal

A língua falada, cantada e recriada nas ruas vai ser celebrada no Rio Poetry Slam, campeonato de poesia que acontece durante a  Flup – Festa Literária das Periferias, de 10 a 15 de novembro, no Vidigal (Rio de Janeiro). O Museu da Língua Portuguesa, atualmente em reconstrução, apoia a iniciativa e é co-realizador do encontro de poetas do Brasil, Angola e Portugal. O encontro, que recebeu o nome de “Sarall”, acontece no dia 10, na abertura do Rio Poetry Slam, no galpão da ONG Horizonte. Primeiro encontro de saraus e slams de língua portuguesa, o evento vai reunir 15 poetas, artistas e escritores, como Alessandro Buzo, do Sarau Suburbano de São Paulo, a poeta e escritora angolana Bel Neto e o músico português José Anjos. A apresentação do Sarall será feita pelo ator Marcelo Mello, também poeta, cineasta e ativo participante da cena artística do Vidigal.

 

O Rio Poetry Slam é o maior evento de poesia falada da América Latina. “Teremos uma diversidade de vozes, com mulheres negras e periféricas; trans; homens”, adianta a curadora do Rio Poetry Slam, Roberta Estrela d’Alva, diretora do premiado filme “Slam: Uma voz de levante”. “É um encontro da diversidade poética, popularizando a poesia que foi tida como acadêmica, e dando voz à comunidade.”

“O Museu da Língua Portuguesa celebra a nossa língua, que é criada e recriada, suas múltiplas identidades, sotaques, diferentes apropriações e formas de expressão. A Flup e o Rio Poetry Slam promovem uma experiência concreta dessa permanente recriação, ao combinar diversidade de vozes, literatura e oralidade. É importante para o museu, durante a reconstrução de sua sede, participar de encontros como esse. Para nós é uma rica oportunidade de revisitar o acervo do museu, que está em permanente mutação”, diz a gerente de projetos da Fundação Roberto Marinho, Deca Farroco.

Com curadoria de Júlio Ludemir, em cinco edições a FLUP – Festa Literária das Periferias consolidou-se na agenda da cidade do Rio de Janeiro como um festival que reúne artistas e escritores do mundo inteiro para debater, experimentar, produzir e ampliar o poder da leitura. Em 2017, o evento ocupa o Morro do Vidigal com convidados como Renato Aragão, Cacá Diegues, Paulo Lins e Djamila Ribeiro.

Nesta edição, a FLUP homenageia o dramaturgo Oduvaldo Vianna Filho, o Vianinha, autor de teatro, televisão, cinema, jornalismo e crítica cultural. Veja a programação completa em http://flup.net.br/

“O Sarall na prática contará a história do spoken word (poesia falada) no Brasil, com uma curadoria que contempla nomes que vão de veteranos a jovens”, define Júlio Ludemir.

Museu está em reconstrução
O Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, em São Paulo, foi atingido por um incêndio em dezembro de 2015 e está em reconstrução. Atualmente, está sendo finalizada a primeira etapa da obra: o restauro da fachada e das esquadrias. Em paralelo, foi iniciada a segunda etapa: reconstrução da cobertura do edifício. A previsão de inauguração é 2019. Durante a reconstrução, o acervo do Museu, o patrimônio imaterial da língua portuguesa, continua sendo celebrado por meio de atividades culturais e educativas, como as realizadas na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, em agosto; na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), em julho; na celebração do Dia Internacional da Língua Portuguesa, em maio de 2017, e no Festival Que Bom Retiro, os dois últimos no saguão da Estação da Luz.

Primeiro museu totalmente dedicado a um idioma, o Museu recebeu cerca de 4 milhões de visitantes em 10 anos de funcionamento (2006-2015), em São Paulo. Sua concepção celebra a língua como elemento fundador e fundamental da nossa cultura. Experiências interativas, conteúdo audiovisual e ambientação conduziam os visitantes a um mergulho na história da língua portuguesa.

O Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho. Tem como patrocinador máster a EDP, patrocinadores Grupo Globo e Grupo Itaú e apoio do Governo Federal, por meio da lei federal de incentivo à cultura. O IDBrasil é a organização social responsável pela gestão do Museu.

Serviço:
SARALL – Abertura da Flup – Festa Literária das Periferias
Sexta-feira, dia 10 de novembro, às 20h30
Av. Presidente João Goulart, 290, Vidigal
Grátis 

Participantes do Sarall:

Adrian Neves / Pará. Adrian é poeta do Slam Dandaras do Norte, batalha de poesias realizada só por mulheres e para mulheres em Belém do Pará.

Bel Neto / Angola. Bel Neto nasceu em Luanda e é membro do Movimento Berço Literário. Escreve contos, poesias infantis, spoken word, comédia, romance e tem textos adaptados em peças teatrais. Participou no primeiro Luanda SLAM e ficou em terceiro lugar na segunda edição.

Beto Belinatti / São Paulo. Ator, poeta e professor, Beto Belinatti é fundador do Slam da Roça, primeiro slam de Franco da Rocha, região periférica da cidade de SP.  É conhecido na cena slam por performances que utilizam, além da palavra, técnicas corporais advindas da sua experiência como ator.

Bruno Negrão / Rio Grande do Sul. Bruno é poeta e um dos nomes mais representativos da cena atual do Rio Grande do Sul. Foi campeão do Slam Peleia, pioneiro no estado.

Edson Santos (Edinho) e Erika Moura / São Paulo. Edinho e Erika fazem parte do Slam do Corpo, primeiro slam entre surdos e ouvintes da América Latina, que busca criar uma linguagem mestiça entre a LIBRAS (língua brasileira de sinais) e o português.

 

José Anjos / Portugal. José Anjos é escritor e músico. Gosta de imitar gaivotas com o seu gato na praia e de dançar como um panda sem pescoço. O seu lema é: “memento mori”, ou “um pires de tremoços”, ainda não decidiu. Em 2015, publicou o seu primeiro livro de poesias: “Manual de Instruções para Desaparecer”.

Juh França / Bahia. Juh França é poeta de Salvador. Ela é fundadora do coletivo Zeferinas e atual campeã do Slam da Onça, primeiro slam do estado da Bahia.

Kimani / São Paulo. Poeta e cantora, Kimani é uma das principais revelações da cena atual de poetry slam de São Paulo. Ela traz temáticas da política atual misturadas com humor e ironia.

Letícia Brito / Rio de Janeiro. Letícia Brito é poeta e se dedica ao Spoken Word e às microrrevoluções político-sociais onde a poesia incinera, afaga, afeta e transforma. Como produtora da cena carioca de poesia, já realizou os slams e saraus Mulherau, Pizzarau, Batalha da Pizza e Tagarela. Atualmente integra a produção e realização do Slam das Minas RJ.

Leyd Monteiro / Rio de Janeiro. Representando a nova geração de poetas de slam do Rio de Janeiro, Leyd foi a campeã do II Slam Colegial, slam realizado pela FLUP nos colégios estaduais da região metropolitana do Rio de Janeiro.

Lucas Jaques / Espírito Santo. Lucas Jaques é poeta e organizador do Slam Artevista, um dos primeiros do Espírito Santo.

Luiz do Sol / Ceará. Poeta e performer transexual, Luiz do Sol criou o Slam da Quentura, primeiro slam do estado do Ceará, que acontece na cidade de Sobral.

MC Martina / Rio de Janeiro. MC Martina é rapper, poeta e ativista do Complexo do Alemão. Fundadora do coletivo Poetas Favelados e do Slam Laje, é uma das principais vozes da cena no Rio de Janeiro.

Pietá / Minas Gerais. Poeta de Minas Gerais, Pietá é poeta ativista feminista da cena de slams  de Minas Gerais. Foi vencedora do Slam das Manas 2017 e está na final do Slam MG.

WJ / Rio de Janeiro. Rapper e poeta, WJ ficou nacionalmente conhecido depois de postar uma de suas performances poéticas nas redes sociais. Seu vídeo já tem mais de 1 milhão de visualizações.

Deixe uma resposta

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo