Como a Staples tornou bilíngue sua equipe no Brasil

Sede da Staples em São Paulo: todos os funcionários são estimulados a aprender e a praticar o espanhol durante o expediente - Foto: Germano Lüders / EXAME

Sede da Staples em São Paulo: todos os funcionários são estimulados a aprender e a praticar o espanhol durante o expediente – Foto: Germano Lüders / EXAME

Como a Staples tornou bilíngue sua equipe no Brasil

Aline Scherer, de Revista EXAME

São Paulo – Em janeiro de 2015, a diretoria da multinacional de artigos para escritório Staples na América Latina revisou a política de benefícios dos funcionários. Conclusão: o investimento em cursos de inglês tinha alto custo e não trazia retorno.

Apenas 30% dos funcionários recebiam aulas na empresa 2 horas por semana, mas não praticavam a língua durante o expediente. Com dois escritórios, um em São Paulo e outro em Buenos Aires, os diretores da varejista se deram conta de que fazia mais sentido os funcionários estudarem espanhol no Brasil e português na Argentina.

“Percebemos que as equipes não estavam preparadas”, diz Alexandre Fleury, diretor de RH da Staples para a América Latina. A companhia, com sede nos Estados Unidos, decidiu ampliar o benefício para todos os 348 funcionários que trabalham no Brasil e na Argentina. Fechou uma parceria com a ferramenta online gratuita de ensino de idiomas Duolingo, startup americana com sede em Pittsburgh.

Segundo um estudo da Universidade da Cidade de Nova York e da Universidade da Carolina do Sul, 34 horas de exercícios de espanhol no Duolingo equivalem a um semestre de estudos do idioma em sala de aula. Veja como foi a mudança no escritório brasileiro, que opera online desde 2004 e prepara a abertura de sua primeira loja física neste ano.

1. Informação para todos
A empresa divulgou mensagens em espanhol na intranet, em e-mails, em cartazes e nas televisões internas convidando os funcionários a aprender a língua. Nas primeiras semanas, os líderes de equipes usaram camisetas com as logomarcas da campanha e explicaram como o aplicativo e o site Duolingo funcionam.

2. Regras claras
Os diretores definiram regras para quem quisesse estudar durante o expediente. Criou-se uma sala específica para isso. O horário é a primeira ou a última hora do expediente ou 15 minutos antes e depois do almoço. A maioria optou por estudar no trajeto para o escritório, por celular ou tablet.

3. Jogos e prêmios
Os mais engajados, com 15 horas de estudo, ganharam tablets e notebooks. Em quatro meses, o primeiro colocado ganhou uma viagem a Buenos Aires. A empresa também estimulou jogos, como colar papéis com o nome de objetos no escritório — muitos deles, produtos vendidos pela companhia.

4. Prática no trabalho
Nos encontros pessoais e em reuniões via conferência com colegas do país vizinho, os funcionários são estimulados a falar na língua do outro. Muitos tomaram a atitude proativamente. Deixaram, por exemplo, de escrever em português os e-mails para os argentinos — agora arriscam utilizar o espanhol.

5. Resultado
A empresa obteve 98% de economia: o único investimento foi em computadores e prêmios. O benefício atingiu mais pessoas: 75% do quadro, ante 30% na versão anterior. Em quatro meses, 70% dos funcionários usaram a ferramenta por, no mínimo, 1 hora por semana. A média de uso foi de 2 horas.

Fonte: EXAME.com

Facebook
Visite site Oficial
1ºENMP (clique na imagem)
Receba o Boletim
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Nossas publicações
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo