Vídeos

IFSC terá uma política de ensino de línguas

“Não podemos tratar as línguas como um problema, mas como direito e recurso”. Foi com esta premissa que o renomado professor do programa de pós-graduação em Linguística da UFSC, Gilvan Muller de Oliveira, orientou os servidores presentes na palestra de abertura do II Fórum de Ensino de Línguas do IFSC. O evento foi realizado nos dias 14 e 15 de junho em Florianópolis e reuniu os professores de línguas (português, espanhol, inglês e libras) do Instituto. Refletir sobre qual tratamento dar às línguas na instituição e como construir uma política de ensino de línguas foram alguns dos objetivos da segunda edição do Fórum.

Professor Gilvan Foto: Jornalismo IFSC

Em sua palestra intitulada “Internacionalização, tecnologias linguísticas e multilinguismo”, o professor da UFSC enfatizou a importância de se superar a visão da língua como um problema para que seja tratada como um direito. “Temos a necessidade de apoiar e promover as línguas minorizadas e chegarmos à ideia da língua como recurso estratégico, de internacionalização e até comercial”, disse Oliveira.

Quando se fala em internacionalização, significa ver as línguas como recursos para que se atue em outros países e se estabeleça parcerias. Mais do que isso, segundo o linguista, internacionalizar é refletir sobre o modo de organização da produção. “Precisamos ter abertura para outras comunidade linguísticas se quisermos nos internacionalizar para atuar no mundo e trabalhar na língua dos nossos parceiros”, aconselhou o professor.

A ampliação da visão que se tem sobre as línguas foi outro ponto bem enfatizado pelo palestrante. “Nos convém olhar a língua não só como a língua oficial materna, mas como segunda língua, estrangeira, de herança, de acolhimento, de memória, de integração e internacional”, destacou. Oliveira citou, inclusive, como exemplo de uso da língua como forma de acolhimento, os cursos que alguns câmpus do IFSC ministraram para imigrantes haitianos que incluíram aulas de Português.

Foto: Jornalismo IFSC

Neste contexto, o multilinguismo é uma realidade e é preciso pensar em uma educação para o multilinguismo e numa formação de professores que saibam lidar com todo o pluralismo existente. “Para isso, precisamos respeitar as diferenças entre as línguas e combater o preconceito”, afirmou Oliveira.

Segundo o professor, a educação linguística passa pela aceitação de que todo mundo tem sotaque no mundo multilíngue e de que a função da escola não é corrigir a fala das pessoas. “Isso é ineficiente do ponto de vista metodológico e temos que considerar que todas as formas linguísticas são boas epistemologicamente”, destacou.

E o papel do professor de línguas nesse processo é fundamental, podendo ser considerado como o “porteiro para o mundo” de acordo com o palestrante. “Precisamos facilitar o contato com outras comunidades linguísticas, preparar novas línguas para o multilinguismo, inserir novas línguas no mundo digital, atuar no campo das tecnologias das línguas e, finalmente, pensar que, se somos educadores linguísticos, não podemos ver a língua dos nossos alunos como um problema, mas como recursos em produção em que os alunos são nossos parceiros neste processo”, finalizou Oliveira.

Sobre o Fórum

A partir da primeira edição do evento, realizada em 2014, foram identificados todos os professores de línguas do IFSC para que houvesse uma articulação do trabalho. Atualmente, o Instituto conta com 101 docentes na área. Com uma programação que incluiu palestras, painéis, debates e reuniões de grupos de trabalho, o II Fórum, realizado nesta semana, deu continuidade às discussões iniciadas há dois anos e permitiu ao IFSC avançar em uma proposta de política linguística para a instituição.

Entenda melhor a importância de se discutir uma política linguística em entrevista feita pela Comissão Organizadora do II Fórum com o professor Gilvan Muller de Oliveira, palestrante de abertura do evento:

Na cerimônia de abertura do evento deste ano, o pró-reitor de Ensino, Luiz Otavio Cabral, destacou a necessidade de o Instituto ter uma harmonização na oferta de cursos de línguas, bem como no ensino de idiomas nos cursos. “Acreditamos que essas diretrizes fortalecem o trabalho dos professores e a própria instituição”, afirmou.

Uma política em construção

IMG_2324

II Fórum de Línguas/2016 Foto: Jornalismo/ IFSC

A presidente da Comissão Organizadora do II Fórum, Daniela de Carvalho Carrelas, ressalta que o IFSC está se encaminhando para isso. Com toda a discussão gerada nos dois dias do evento, o grupo de servidores presentes concebeu uma formação que dará origem à proposta de minuta da política de Ensino de Línguas do IFSC. “O trabalho agora irá continuar numa capacitação disponibilizada pelo Centro de Referência em Formação e EaD em que os servidores que integram o Fórum irão fazer um trabalho coletivo e de maneira organizada utilizando o moodle como espaço de socialização e registro das discussões”, explica.

A autoformação será iniciada a partir de agosto. Todos os servidores presentes no Fórum terão que fazer uma unidade comum de Política de Línguas. Depois, os grupos de trabalhos constituídos no evento irão aprofundar o referencial teórico de cada temática e propor diretrizes para cada assunto. “Nossa expectativa é ter uma minuta construída coletivamente no final do primeiro semestre de 2017 e até o final do próximo ano já ter a política de Ensino de Línguas do IFSC aprovada”, conta Daniela.

Os temas para a constituição dos grupos de trabalho foram estabelecidos a partir das discussões do I Fórum de Línguas. São sete GTs: Ensino de Línguas para fins específicos, Ensino de línguas como oferta complementar, Formação de professores para o Ensino de Línguas, Pesquisa no Ensino de Línguas, Ensino de Línguas como extensão, Ensino de língua materna e letramento e Ensino de literatura e leitura crítica.

Quem compareceu ao evento, no ato da inscrição, já escolheu um grupo para participar. Os professores de Línguas que não puderam participar do Fórum poderão se inscrever na capacitação EaD e passar a integrar um GT.

Abertura do evento

A solenidade de abertura do II Fórum foi realizada na terça-feira (14) no auditório da Reitoria. Além do pró-reitor de Ensino, participaram da cerimônia a a reitora, Maria Clara Kaschny Schneider; a assessora de Assuntos Estratégicos e Internacionais, Consuelo Sielski; e o pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação, Clodoaldo Machado

Uma terceira edição do Fórum de Línguas deve ser realizada daqui a dois anos. Servidores interessados nesta discussão e construção podem entrar em contato com Comissão Organizadora do evento, formada pelas seguintes servidoras: Daniela de Carvalho Carrelas (Câmpus Florianópolis-Continente), Ana Lúcia Machado (Reitoria), Ana Paula Kuczmynda da Silveira (Gaspar), Mara Lúcia Massuti (Cerfead), Telma Amorim (Câmpus Garopaba) e Maria Rosa da Silva Costa (Câmpus Garopaba).

III CIPLOM e III EAPLOM na UFSC, entre 6 e 10 de junho de 2016

Acontece entre 06 e 10 de junho, na UFSC, em Florianópolis, o III CIPLOM  – Congresso Internacional de Professores das Línguas Oficiais do MERCOSUL e o III EAPLOM- Encontro Internacional das Associações de Professores das Línguas Oficiais do MERCOSUL

O Professor e pesquisador Gilvan Müller de Oliveira esclarece os objetivos e a importância do evento no âmbito da Integração Regional e da gestão das línguas no MERCOSUL.

Acesse a entrevista realizada pelo IELA – Instituto de Estudos Latino-americanos:

Mais informações sobre o evento em: http://iiiciplomeaplom.webnode.com/

Email: iiiciplom.iiieaplom@gmail.com

Fonte: IPOL Comunicação

Projeto fomenta e cataloga produções audiovisuais indígenas

came

Divulgação VNA

Em 1987, o antropólogo, indigenista e documentarista franco-brasileiro Vincent Carelli criou o projeto Vídeo nas Aldeias (VNA) para levar as primeiras câmeras VHS às aldeias indígenas no Brasil. Seu objetivo era apresentar aos povos um instrumento acessível de expressão para que, assim, pudessem fortalecer sua imagem, preservar e repassar sua memória histórica, tanto para futuras gerações quanto para outros povos – indígenas e não-indígenas.

Continue lendo

Ailton Krenak: um professor formado na luta

Liderança indígena recebe o título de doutor honoris causa da Universidade Federal de Juiz de Fora

honoris causa

Krenak: o notório saber não está apenas na universidade Foto: Alexandre Dornelas / UFJF

Em algumas universidades no Brasil, os conhecimentos profundos da diversidade epistemológica do País estão finalmente atravessando o alto muro da academia.

Por: Felipe Milanez

 Nesse início de ano letivo de 2016, a Universidade Federal de Juiz de Fora deu um grande exemplo de como a produção de conhecimento deve ser feita a partir de uma descolonização da própria universidade, e concedeu o título de professor honoris causa a Ailton Krenak.

Continue lendo

Filme sobre povo Guarani em SP denuncia opressão fundiária

guarani_mbya90084

Crianças indígenas da tribo Guarani M’bya em Jaraguá, SP

Logo na abertura do filme “Atrás da Pedra – Resistência Tekoa Guarani” (2016), o líder indígena David Karai Popygua pergunta: “Como a gente vai comprovar documento se foi tirado o direito da gente ter a nossa terra?”. O documentário de Thiago Carvalho parte da luta do povo Guarani M’Bya em São Paulo, na região do Jaraguá. Mas diz muito sobre o paradoxo – imposto por nossa civilização – relativo ao direito dos povos originários ao próprio espaço.

Por Alceu Luís Castilho

Continue lendo

El rock tsotsil que reinvindica la lengua maya: Lumaltok (entrevista)

Foto: revistaenheduanna.com.mx

Foto: revistaenheduanna.com.mx

Uno de los híbridos más interesantes de la globalización es la apropiación de géneros internacionales a culturas locales, como la maya tsotsil.

Por Ana Paula de la Torre Diaz

Libertad es el buen vivir.
Lumaltok

La globalización ha hecho de las suyas con sus muchas de sus virtudes, y también vicios. Entre las virtudes está la música; hoy es posible conocer propuestas de todo el mundo, y como contraparte también se ha tendido a homogeneizar la oferta. Sin embargo la música es universal e indudablemente puede ser un vehículo para expandir ideas. El rock, desde un inicio, siempre rebelde y joven, ha tocado las fibras de millones de personas en el mundo sea cual se su cultura.

Una de las expresiones más increíbles de la universalización del rock es el hecho de que en Chiapas, en los últimos años, han surgido algunas bandas que han acoplado esta música a sus propias raíces, cultura y lengua. Una de ellas es Lumaltok, una propuesta en lengua maya tsotsil. Continue lendo

IPOL Pesquisa

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo