Outros

O Hunsrüsckisch em Marechal Floriano, Espírito Santo

Por Edenize Ponzo Peres – pesquisadora associada ao IPOL

Nos meses de outubro e novembro de 2016, André Ricardo Kuster Cid, Reni Klippel Machado, Wagner Machado e eu estivemos em Marechal Floriano. O município, localizado na região serrana do Espírito Santo, dista 56 km da capital do estado, Vitória. Marechal Floriano foi colonizado por imigrantes alemães – vindos da Renânia – e também italianos – originários do Vêneto -, embora estes sejam em número menor, que aí chegaram em 1858 segundo registros da Prefeitura Municipal.

Durante as visitas, gravamos entrevistas com as Secretarias de Educação e de Saúde, com funcionários da Câmara de Vereadores e com muitas pessoas da comunidade, na Sede e na zona rural, com o objetivo de descrever um pouco a sócio-história da língua hunsrückisch, falada pelos imigrantes alemães. Segundo os entrevistados, a principal causa da substituição do hunsrückisch pelo português foi o temor dos imigrantes e seus descendentes, causado pela proibição das línguas estrangeiras no Brasil, imposta pelo Governo de Getúlio Vargas, em 1938. Por outro lado, em vários distritos rurais de Marechal Floriano – como Santa Maria, Soído de Baixo e Boa Esperança – constatamos que o hunsrüsckisch ainda é falado, inclusive por jovens. Como exemplo, temos a família do Sr. Cornélio Littig, cujos membros somente conversam na língua ancestral. Assim como eles, há outras famílias na vizinhança que fazem o mesmo.

 Também foi possível observar o apreço dos moradores das localidades visitadas pelo  hunsrückisch, apesar de alguns terem dúvidas quanto a sua importância e à validade de transmiti-lo às gerações futuras.  Exemplo desse apreço é do Sr. Nilson Littig, dono de um bar no distrito de Soído de Baixo. Sr Nilson, falante  do hunsrückisch, estava atendendo os seus fregueses em língua portuguesa. Com a nossa chegada, ele passou a conversar em hunsrückisch com o André; as pessoas que estavam no bar e que também conheciam a língua se juntaram a nós, e passamos horas agradáveis falando na língua. Ao final, o proprietário nos informou que, a partir daquele dia, atenderia aos fregueses em português e em hunsrückisch, dependendo do conhecimento ou não da língua. Assim, a inibição inicial e a preocupação em desagradar os monolíngues em português desapareceram.

Por meio das entrevistas realizadas com a população e com as autoridades de Marechal Floriano, pudemos perceber que o município apresenta boas perspectivas para a o trabalho de revitalização e de manutenção do hunsrückisch. Ainda se encontram muitos falantes e a cultura alemã está bastante presente na vida da comunidade. A discriminação e o preconceito que os hunsrückianos sofrem por parte de quem não fala a língua ainda são grandes, mas acreditamos que o esclarecimento e o incentivo são boas armas em favor dessa língua minoritária.

floriano

Foto antiga da cidade de Domingos Martins-Sede, comumente chamada de “Campinho”. A casa mais alta ainda existe e é a mais antiga da cidade, onde mora a família Schlenz, que fala o hunsriquiano em casa e em qualquer lugar onde encontrarem outros falantes. Foto sem data, coletada por André Ricardo Kuster Cid, durante a pesquisa na região.

 

 

Fonte: Edenize Ponzo Peres/Edição IPOL Comunicação

ALFAL – prazo prorrogado: a nova data para inscrição e envio de resumos é 10 de janeiro de 2017

alfal

Acontece entre 24 e 28 de julho de 2017 em Bogotá, Colômbia, o XVIII Congresso Internacional Associação de Linguística e Filologia da América Latina (ALFAL). Na ALFAL existem atualmente 25 Projetos permanentes que funcionam de acordo com suas próprias regras e procedimentos, disponíveis no site: http://www.mundoalfal.org/.

Atenção! Prazo prorrogado para inscrição e envio de resumos!

O projeto 8 “Políticas da linguagem na América Latina” está com convocatória aberta para participação nas sessões até 10 de janeiro de 2017 e tem como tema central A presença do inglês, do espanhol e do português como línguas outras na educação pública na América Latina.

A equipe do Projeto 8 é composta de uma rede de pesquisadores/as que foi sendo tecida ao longo dos anos, com estudiosos da temática de quase todos os países latino-americanos, da Alemanha, Áustria, EUA, França, Espanha e demais países com coordenação geral de Rainer Enrique Hamel, daUniversidade Autônoma Metropolitana, Cidade do México, México.

Leia a convocatória completa do Projeto 8 em:

alfal2017_convocatoria_projeto8_versaoport-1

alfal-2017-convocatoria-proyecto-8-pl-en-al-1

Para informações sobre a Convocatória ao Projeto 8, email para: hamel@xanum.uam.mx

Saiba mais sobre o Evento de 2017 na Colômbia em: http://www.alfalcolombia2017.com/

Fonte: IPOL Comunicação

 

Discussão sobre a oficialização das línguas Macuxi e Wapichana no município de Bonfim, Roraima

 bonfimAconteceu dia 05 de dezembro, na segunda-feira, discussão sobre oficialização da língua Macuxi e Wapichana, no município de Bonfim, Roraima.

Os temas abordados foram:

  • Apresentação do resultado preliminar do levantamento de dados com falantes de línguas Macuxi e Wapichana no município Bonfim.
    Jama Peres Pereira (aluna do curso Gestão Territorial Indígena e bolsista do Programa de Valorização das Línguas Macuxi e Wapichana).
  • Histórico do Processo de Cooficialização das línguas Macuxi e Wapichana, propostas de regulamentação e de implementação da lei 211/2014; Apresentação do Programa de Valorização das Línguas Macuxi e Wapichana e das propostas de projetos a serem desenvolvidos com a população indígena no Bonfim.
    Profª Drª. Ananda Machado.
  •  Histórico dos trabalhos com os professores Indígenas da Região Serra da Lua.
    Prof. Odamir Oliveira, coordenador dos professores de línguas indígenas da Região da serra da Lua.
  • As línguas oficializadas em outros estados do Brasil pelo Dr. Jan Pohlmann.
  •  Um Panorama das Línguas Indígenas no Brasil e políticas de valorização. Profº Draulo Jefferson.
Fonte: Email de Divulgação/Convite

UNESCO addresses challenges of a multilingual cyberspace

unescoA round table and a high-level meeting on Russia’s language policy and the situation of the multilingualism in the world was held in Moscow on 17 and 18 November at the ITAR-TASS News Agency, in cooperation with the Ministry of Education and Science of the Russian Federation, the Russian Committee of the UNESCO Information for All Programme, and the Interregional Library Cooperation Centre.

High on the agenda were the following topics: access to information in a truly multilingual cyberspace; the promotion of formal and informal open online education in all languages; and the development of the Russian language and the languages of some 100 indigenous peoples of Russian Federation.

Dr Boyan Radoykov, from UNESCO’s Knowledge Societies Division, Communication and Information Sector, addressed the participants and presented the work done by the Information for All Programme (IFAP) under its priority concerning the promotion of multilingualism, which is closely related to the topic of access to information and knowledge in cyberspace. He announced that UNESCO is in the process of developing a World Atlas of Languages, which also demonstrates the use of technology for development. This new online tool will not only provide reliable information about languages endangerment and vitality, but will also help to draw attention to the importance of UNESCO’s normative work in this area. Mr Radoykov also emphasized that for UNESCO cultural diversity and multilingualism have a central role to play in fostering pluralistic, equitable, open and inclusive knowledge societies

Members and heads of the presidential and governmental authorities and institutions, journalists and leading experts from Russia and other countries, were invited to attend this event, which built on achievements of UNESCO/IFAP major international events on multilingualism in cyberspace organized worldwide over the past few years.

Speakers at the event also included: Mr Veniamin Kaganov, Deputy Minister of Education and Science of the Russian Federation; Ms Eleonora Mitrofanova, Ambassador-at-large, Ministry of Foreign Affairs of the Russian Federation; Mr Evgeny Kuzmin, Deputy Chair, Intergovernmental Council, UNESCO’s Information for All Programme (IFAP); Vladimir Grigoriev, Deputy Head, Federal Agency for Press and Mass Communications; Mr Gilvan Müller de Oliveira, Professor, Federal University of Santa Catarina, Brazil; Ms Snezhana Todorova, President of the Union of Bulgarian journalists, Bulgaria; Mr Mohamed El-Guindy, Egypt TV, Cairo; Mr Prabhakar Rao Jandhyala, Professor, University of Hyderabad, India.

The participants were invited to visit leading research institutes and universities in Moscow engaged in linguistic studies and the promotion of the use of languages in formal and non-formal education.

Fonte: News Unesco 

Brics lançam rede de imprensa para fomentar troca de notícias

brics0

Iniciativa tenta evitar intermediários ocidentais na troca de informações Foto:twitter.com/PCI

Rede irá facilitar acesso e compartilhamento de informações entre os países do grupo. Na Índia, representantes dos cinco países também destacaram avanços comerciais obtidos durante a última cúpula do grupo, em meados de outubro.

Morre Fidel Castro

fidel0

http://outraspalavras.net/mundo/america-latina/fidel-por-eduardo-galeano/

O dia de hoje é de luto. 

Fidel, por Eduardo Galeano

Tradução: Eric Nepomuceno

Seus inimigos dizem que foi rei sem coroa e que confundia a unidade com a unanimidade.
E nisso seus inimigos têm razão.

Seus inimigos dizem que, se Napoleão tivesse tido um jornal como oGranma, nenhum francês ficaria sabendo do desastre de Waterloo.
E nisso seus inimigos têm razão.

Seus inimigos dizem que exerceu o poder falando muito e escutando pouco, porque estava mais acostumado aos ecos que às vozes.
E nisso seus inimigos têm razão.

 Mas seus inimigos não dizem que não foi para posar para a História que abriu o peito para as balas quando veio a invasão, que enfrentou os furacões de igual pra igual, de furacão a furacão, que sobreviveu a 637 atentados, que sua contagiosa energia foi decisiva para transformar uma colônia em pátria e que não foi nem por feitiço de mandinga nem por milagre de Deus que essa nova pátria conseguiu sobreviver a dez presidentes dos Estados Unidos, que já estavam com o guardanapo no pescoço para almoçá-la de faca e garfo.

E seus inimigos não dizem que Cuba é um raro país que não compete na Copa Mundial do Capacho.

E não dizem que essa revolução, crescida no castigo, é o que pôde ser e não o quis ser. Nem dizem que em grande medida o muro entre o desejo e a realidade foi se fazendo mais alto e mais largo graças ao bloqueio imperial, que afogou o desenvolvimento da democracia a la cubana, obrigou a militarização da sociedade e outorgou à burocracia, que para cada solução tem um problema, os argumentos que necessitava para se justificar e perpetuar.

E não dizem que apesar de todos os pesares, apesar das agressões de fora e das arbitrariedades de dentro, essa ilha sofrida mas obstinadamente alegre gerou a sociedade latino-americana menos injusta.

E seus inimigos não dizem que essa façanha foi obra do sacrifício de seu povo, mas também foi obra da pertinaz vontade e do antiquado sentido de honra desse cavalheiro que sempre se bateu pelos perdedores, como um certo Dom Quixote, seu famoso colega dos campos de batalha.
(Do livro “Espelhos, uma história quase universal”)

<
Continuar lendo

Web Revista Sociodialeto faz chamada para artigos

sociodaletoA Web Revista Sociodialeto faz chamada para artigos do Volume 7, Número 20 de 2016, com a temática “Dialetologia Tradicional, Sociolinguística e Dialetologia Pluridimensional: a busca pela organização do “caos aparente” da variação linguística”.

Os organizadores do número são  Marcelo Nicomedes (UFMA) e Myrna Mendes Maciel (PPGLetras-UFRGS).

A data limite para envio de artigos é 30 de novembro de 2016.

Fonte: Site Web Revista Sociodialeto

Educamemória/FURG promove Projeto de Extensão Memória, Cultura e Promoção da Língua Pomerana

educamemoriaNúcleo Educamemória promove Promoção  da Língua Pomerana

Memória, Cultura e Promoção da Língua Pomerana 2016-2017

Erinung, Kultur un Promotion fon dai Pomerisch Språk 2016-2017

Essa proposta é derivada de demandas do III Fórum Pomersul, realizado em 2014 em Canguçu, especialmente. Demanda sempre presente nos Fóruns do Pomersul (2010-2014), desde o I PomerBR (2011) em São Lourenço do Sul e nas Audiências Públicas do Povo Pomerano (2015-2016).

Este projeto de extensão tem por objetivo promover a Língua Pomerana na Serra dos Tapes por meio de Rodas de Diálogos sobre a Língua Materna e as Políticas Linguísticas de Bilinguismo. Compreender aspectos elementares da epistemologia linguístico-gramatical da língua pomerana. Discutir, compreender e promover a Língua Pomerana, falada e escrita, a partir de uma discussão das políticas linguísticas de Bilinguismo e dos pressupostos da Educação bilíngue na América Latina. O Público Alvo dessa ação são as lideranças locais; professores, membros de associações culturais, membros das comunidades pomeranas, sujeitos de Comunidades e Povos Tradicionais do Pampa, comunidade em geral interessada na temática.

Essa ação é realizada em parceria de co-promoção entre Associação Pomersul, Secretaria de Educação e Esportes de Canguçu, Secretaria de Educação e Cultura de São Lourenço do Sul e Núcleo Educamemória-FURG.

Interessados em participar devem enviar e-mail para: educamemoria@yahoo.com.br, declarando interesse de participação. A partir desse contato serão enviados a ficha de inscrição e o passo-a-passo de cadastramento.

 Fonte: Email de Divulgação

Há 44 mil alunos a aprender português no Senegal

senegalÉ a primeira língua de dezenas de milhões de alunos mas só 11 países a têm nos currículos oficiais como segunda ou terceira, abrangendo 80 mil estudantes

Por Pedro Sousa Tavares

“Esta é uma relação que tem muitos antecedentes”, diz ao DN Ana Paula Laborinho, presidente do Instituto Camões. O português, lembra, está nos currículos desde 1960, ano em que o país ganhou a independência e passou a ser liderado pelo político e escritor Léopold Sedar Senghor, cujo apelido paterno deriva da palavra portuguesa: “Senhor”. “Durante muito tempo, a figura de Senghor foi protetora e tutelar da luta contra o domínio colonial, a par do [angolano] Agostinho Neto. Essas duas figuras contribuíam para essa presença, ainda hoje, de uma massa tão grande de interessados no Português, que depois tem também uma expressão na universidade, onde se formam os professores que nas 14 regiões ensinam a língua. Continuar lendo

Chamada para artigos: capítulo de livro sobre Cinema Latino-Americano

cinema

Os doutores Antonio Marcio da Silva (University of Kent, Reino Unido) e Mariana Cunha (Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil) convidam os investigadores interessados a enviar trabalhos para o livro Direitos Humanos, Movimentos Sociais e Ativismo no Cinema Latino-Americano Contemporâneo. O prazo final é o 10 de dezembro.

Eixo temático

O cinema pode desempenhar um papel ativo na denúncia do abuso dos direitos humanos e na visibilidade de diferentes movimentos sociais? Cada uma, à sua maneira, as sociedades latino-americana têm experimentado diferentes ciclos na implementação e aplicação de políticas de direitos humanos, ainda que muitas vezes esses direitos sejam fortemente violados.

Movimentos sociais e ativistas tem aumentado o uso de  filmes, vídeos e mídias digitais como meio de fazer campanha em nome da justiça e proteção dos cidadãos vulneráveis. Dessa forma, questionam em que medida o cinema pode impactar a transformação social e abrir novos caminhos para a compreensão dos filmes sobre direitos humanos, sejam eles a partir da perspectiva dos oprimidos ou dos violadores. Continuar lendo

Facebook

Visite site Oficial

1ºENMP (clique na imagem)

Receba o Boletim

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Nossas publicações

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo