Outros

IPOL realiza Inventário sobre a Língua Hunsrückisch em São João do Oeste

Durante a realização da 9ª Semana Alemã, uma equipe do IPOL – Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística, esteve no município para a realização de um Inventário do Hunsrückisch (hunriqueano), que é Língua falada no cotidiano de São João do Oeste.

A Equipe do Inventário do Hunsrückisch (hunriqueano) como Língua Brasileira de Imigração (IHLBrI), composta pelos pesquisadores Chari Gonzales, Lívia Gomes, Mariela Silveira, Rodrigo Schelenker e Tamissa Godói,  realizaram pesquisas e entrevistas junto a comunidade local, para composição do Estudo.

Em visita oficial ao Gabinete do Prefeito Fernando Bisigo, destacaram que o trabalho só foi possível devido a recepção calorosa da cidade e a disponibilidade das pessoas em colaborar com o Inventário.

Continue lendo

Seminário do Inventário LIBRAS

Acontecerá em Florianópolis de 8 a 13 de maio de 2017

o Seminário do Inventário Libras

O evento abordará os desafios da realização do Inventário Libras e outros aspectos da Política do INDL (Inventário Nacional da Diversidade Linguística) aplicados à língua de sinais. O Seminário contará com representantes das três instituições envolvidas no seu desenvolvimento, o IPOL, o IPHAN e a UFSC, além de 27 representantes de comunidades surdas de todo o Brasil.

O Evento se realizará no Auditório Henrique Fontes, Prédio B do Centro de Comunicação e Expressão da UFSC (CCE-UFSC), Trindade, Florianópolis, SC.

digital_cartaz

Aula Magna com Prof. Dr. Nanblá Grakan

2017.04.14.1

 

Professor Nanblá Grakan possui

Graduação Bacharel em Ciências Sociais (ênfase em desenvolvimento sustentável) pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI (2000), Titulo: Sociólogo. Graduação em Licenciatura Plena em Ciências Sociais (Sociologia), pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI (2002), Mestre em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (2005). Doutor em Linguística pela Universidade de Brasília UNB (2015). Tem experiência na área de Ciências Sociais, Lingüística e Línguas Indígenas. Índio da etnia Xokleng/Laklãnõ, nasceu e se criou na Terra Indígena Laklãnõ/SC. Sua primeira língua é Língua Xokleng/Laklãnõ. Atuou como professor da Língua Materna Xokleng e as disciplinas de: Sociologia, Antropologia e Filosofia na Escola Indígena de Educação Básica Laklãnõ e E.E. B José Clemente Pereira. Defensor da revitalização da Língua Materna Xokleng/Laklãnõ, História e Artes do povo. Orienta jovens e comunidade em geral para valorizar sua identidade étnico cultural. Foi bolsista da Ford Foundation – IFP – International Fellowships Program/Brasil – New York, United States. Membro da Confederação das Academias de Letras do Brasil – CONALD – Conselho Nacional das Academias de Letras do Brasil, empossado à cadeira nº 10 ALB/SC – José Boiteux – SC. Professor convidado para ministrar a disciplina de Língua Laklãnõ-Xokleng na Licenciatura Intercultural Indígena no Sul da Mata Atlântica na UFSC. Professor convidado pela Secretaria de Educação do Educação/ SC para ministrar a disciplina de Língua Laklãnõ-Xokleng no Magistério Indígena. Membro do grupo de pesquisa em Políticas Linguísticas Críticas/UFSC. (Texto informado pelo autor). (Fonte: Currículo Lattes)

No dia também é possível adquirir o livro “Os Índios Xokleng em Santa Catarina que o professor é co-autor e possui dois artigos publicados.

Livro disponível para compra

Livro disponível para compra

IPOL entrevista Peter Lorenzo, diretor do Documentário Receitas da Memória

No dia 08 de abril, 18 horas, no auditório da sede da AMMVI, em Blumenau/SC, será apresentado o documentário RECEITAS DA MEMÓRIA, produzido pelo IPOL e dirigido por Peter Lorenzo

Gravações do Documentários. Fonte: acervo próprio.

Gravações do Documentários. Em cena: Helena Tarnosvki e Ana Paula Seiffert (pesquisadora). Fonte: acervo próprio.

O documentário foi realizado através do convênio PNPI/IPHAN 2014, um edital do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional para o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI), que viabiliza projetos de identificação, reconhecimento, salvaguarda e promoção da dimensão imaterial do Patrimônio Cultural Brasileiro, com respeito e proteção dos direitos difusos ou coletivos relativos à preservação e ao uso desse bem. Segundo o diretor:
O documentário Receitas da Memória foi realizado na região do Vale Médio do Itajaí entrevistando falantes das comunidades alemã, italiana e polonesa e aborda o uso das línguas de imigração e a manutenção das memórias através de um viés que busca lembranças nas receitas familiares.

IPOL: De onde surgiu a inspiração para a realização do Receitas da Memória?

Gravação do documentário. Fonte: acervo próprio.

Gravação do documentário. Em cena: Nero Bonatti e Peter Lorenzo (diretor). Fonte: acervo próprio.

PETER: O doc Receitas da Memória surgiu durante a pesquisa de campo de um outro projeto do IPOL chamado RECEITAS DA IMIGRAÇÃO, um livro, que buscando receitas familiares junto das comunidades alemã, polonesa, italiana, levantou dados e evidências da presença dos falantes de línguas de imigração da região do vale médio do itajaí. Cada entrevista abria uma janela para lembranças familiares, histórias da região, memórias de duas, três, quatro gerações de descendentes… e foi durante deslocamentos entre avenidas, ruas, vielas, estradas vicinais, caminhos e acessos a moradas em locais mais ermos, que surgiu a ideia de otimizar as relações que iam se constituindo e traçar um painel sobre o uso destas línguas de imigração na região.

IPOL: Como se deu a criação do roteiro do documentário?

PETER: Um documentário surge a partir de um pressuposto… no caso, a percepção de que as línguas de imigração desta região do vale médio do itajaí vão se perdendo no século XXI e, a exemplo de inúmeras outras situações pelo mundo, parece ser irreversível. Esse processo de perda do mais importante traço cultural, sua língua, é um fenômeno mundial decorrente do processo civilizatório e das opções que as sociedades vão enfrentando, seja por opção, seja por imposição; acomodação ou dominação… onde, abandonando, ou sendo afastado de sua memória, as sociedades tem como resultado o esvaziamento paulatino de sua história particular até então mantida pela comunidade na oralidade e uso fluente de seus recursos de expressão. É claro que são situações completamente diferentes as vividas por comunidades autóctones e as dos descendentes de povos imigrantes, mas, na verdade, de uma forma e de outra… todos perdem… deixando de ser, deixando de viver, aquilo que seus ancestrais experimentavam, apregoavam, mantinham. O processo é violento porque corta, impede, apaga, elimina, afasta o indivíduo do seu coletivo. Esse movimento de ruptura é de ordem política e econômica e vem como imposição não correspondendo ao que as pessoas vivem nas comunidades, quando aprendendo e trocando conhecimentos numa interação simples, vivem e experimentam a diversidade cultural. Então, após uma pesquisa de fundo sobre a história da região, o documentário foi surgindo, ganhando forma, pela manifestação desse afastamento da memória. Percebi quão importante era dar forma a essa percepção sobre a perda objetivando um raciocínio de alerta sobre a questão.

Continue lendo

Ensino do português para as crianças como Língua de Herança: curso online para o Japão

Chega ao Japão um curso online para educadores (pais e professores) e pesquisadores interessados no Português como Língua de Herança (PLH).

O curso que está revolucionando a prática do ensino da língua portuguesa como “herança”, para pais, professores e pesquisadores, já muito divulgado nos Estados Unidos e Europa, chega ao Japão.

É um curso online onde “são abordados temas fundamentais como identidade, diversidade, cultura, imigração, identidade cultural, bilinguismo, conceitos sobre o ensino/aprendizado de línguas, o percurso do português como língua de herança e as especificidades do contexto dos falantes desta língua minoritária. Em suma, o que é, quem são os envolvidos e o porquê do ensino e manutenção de uma língua de herança são temas essenciais dessa fase”, de acordo com a explicação na página web.

Em 2014 Luzia Tanaka, pedagoga, de Sakai (Osaka), participou do curso e encontrou a resposta para o que buscava. “Já vou para o terceiro curso com a criadora e idealizadora. Acho que a gente discute pouco sobre o que ensinar uma língua de herança e precisamos trazer esta discussão para o Japão”, pontua.

Já faz 5 anos que ela está praticando o ensinamento com crianças e adolescentes na sua cidade. “No começo as crianças não queriam estudar o português. Não é só ensinar a língua, mas o fortalecimento da identidade. Depois, elas não querem mais deixar a escola. O trabalho não fica só entre 4 paredes. Fazemos trabalhos com crianças que moram em outros países”, explica. Luzia ganhou um prêmio PLH como professora na primeira turma, por seu trabalho realizado com as crianças brasileiras que vivem no Japão.

“Posso dizer da qualidade e segurança desse método”, enfatiza Luzia. A autora virá para o Japão para finalizar o curso.

O curso tem início em 27 de março e conclusão em 2 de junho deste ano, com um programa de 10 semanas. Luzia reforça: além dos professores das escolas formais, instrutores e pais são bem vindos para se abrirem para um novo aprendizado que traz riqueza e segurança. A inscrição pode ser feita através da página: http://www.brasilemmente.org/programa-de-formaccedilatildeo-plh—japatildeo.html

Para mais informações, falar com Luzia Tanaka coordenadora do Projeto Construir ARTEL de Sakai (Osaka), através do e-mail oficinaarteeducacao@gmail.com.

Assista ao vídeo da idealizadora do curso PLH-Português como Língua de Herança, Felicia Jennings-Winterle.

Fonte: Portal MIE

A língua nas margens – multilinguismo no Brasil

No Brasil se fala português, certo? Sim, essa é língua oficial, nacional e materna da maioria dos brasileiros. No entanto, em nosso território vivem falantes de idiomas indígenas, estrangeiros e de fronteira. Essas línguas, ao coexistir em um mesmo território, influenciam-se e modificam-se em virtude das relações estabelecidas entre seus falantes.

 

Com a globalização e a relativização das fronteiras entre as nações, essas relações têm se intensificado. Nas grandes capitais, que recebem diariamente pessoas das mais variadas origens, isso é evidente. Esse fenômeno se tornou ainda mais complexo com a entrada recente de refugiados no país. De acordo com o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), em balanço de abril deste ano, o Brasil abrigava 8.863 refugiados reconhecidos, de 79 nacionalidades. Os principais grupos são formados por pessoas da Síria, Angola, Colômbia, República Democrática do Congo e Palestina.

 

Essa diversidade traz características muito interessantes ao espaço de enunciação no Brasil e efeitos indiscutíveis ao ensino da língua portuguesa nas escolas e em outras instituições. Nesse cenário, a Plataforma do Letramento está elaborando uma reportagem especial sobre o multilinguismo no Brasil e convida os leitores a colaborar para mais essa produção. Para isso, responda ao formulário abaixo. Os participantes terão seus nomes divulgados nos créditos da matéria.

Fonte: Plataforma do Letramento

Receba o Boletim

Facebook

Visite nossos blogs

Clique na imagem

Clique na imagem

Clique na imagem

Visitantes

Arquivo