Brasil suíço e pomerano: conheça outras etnias que formaram o país

Livros ajudam a contar parte da história da formação étnica brasileira pouco conhecida
Família de imigrantes pomeranos na região serrana do Espírito Santo, em realidade muito similar à enfrentada também no Sul do País
Família de imigrantes pomeranos na região serrana do Espírito Santo, em realidade muito similar à enfrentada também no Sul do País

O mosaico étnico da formação do Brasil ao longo de cinco séculos nem sempre é devidamente citado. Enquanto os povos que mais se espalharam pelo território nacional costumam ser bastante estudados, outros grupos dependem da pesquisa e da investigação localizada para serem salientados. Nesse processo, dois livros que tiveram contribuições de especialistas do Vale do Rio Pardo merecem atenção, uma vez que ampliam os estudos e os depoimentos sobre dois desses povos.

O mais recente dessas publicações é Imigrantes suíços: Rio Grande do Sul – século 19, apresentado como primeiro volume do pesquisador Adonis Valdir Fauth dedicado ao tema. Vinculado à Associação Suíço-Valesana do Brasil (ASVB), fundada em 1992 e com sede em Carlos Barbosa, Fauth já tem outros títulos nos quais resgata as marcas históricas dos suíços que migraram para o Sul do País, oriundos do Cantão de Valais, daí a denominação de valesanos.

Além de mapear a presença de imigrantes e descendentes nas diversas regiões e cidades gaúchas, Fauth recupera as motivações para que tantas pessoas deixassem suas áreas de origem, nos diversos cantões suíços, e enfrentassem a viagem rumo à América do Sul. Protagonizaram, assim, epopeia similar à de italianos, alemães, poloneses ou japoneses, entre outros, que também vieram em grandes levas ocupar territórios desabitados de diferentes estados brasileiros.

Pomeranos

Em outra frente de trabalhos, o médico e jornalista capixaba Ivan Seibel, radicado em Venâncio Aires, encarregou-se da organização de um oportuno volume dedicado ao povo pomerano no Brasil, outra etnia nem sempre contemplada em estudos de olhar macro. Ao lado de Seibel, quatro pesquisadores (Erineu Foerste, Henry Fred Ullrich, Jorge Küster Jacob e José Carlos Heinemann) engajaram-se no esforço de mapear as marcas dos pomeranos em diferentes regiões nacionais, em especial na região serrana do Espírito Santo, em Santa Catarina e em localidades gaúchas, como São Lourenço do Sul e Agudo.

Na região de Santa Cruz do Sul, pomeranos estão presentes no interior de Sinimbu. Mas talvez sejam as localidades capixabas, como Domingos Martins e Santa Maria do Jetibá, as que melhor souberam explorar as contribuições latentes desse povo, incluindo a língua, que por lá mereceu até mesmo um dicionário enciclopédico pomerano-português, organizado pelo professor Ismael Tressmann. Além da publicação mais recente organizada por Seibel, o livro Pommerland: a saga pomerana no Espírito Santo traz belíssimas fotos de época, assinadas pelos fotógrafos Ervin Kerckhoff e Emilio Schultz, junto dos contemporâneos Rogério e Apoena Medeiros, pai e filho.

Ficha técnica

Imigrantes suíços: Rio Grande do Sul – Século 19, v. 1, de Adonis Valdir Fauth. Carlos Barbosa: Associação Suíço-Valesana do Brasil (ASVB), 2017. 372 p. R$ 45,00.

 

O povo pomerano no Brasil, de Ivan Seibel (org.), Erineu Foerste, Henry Fred Ullrich, Jorge Küster Jacob e José Carlos Heinemann. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2016. 104 p. R$ 16,00.

Fonte: Gaz

 

Deixe uma resposta

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Revista Platô

Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo