Analfabetismo atinge 758 milhões de adultos: 50 anos da celebração do Dia Internacional do Alfabetismo

alfaUm total de 758 milhões de adultos a nível mundial não sabe ler ou escrever uma frase simples, pese embora os ganhos registados nestes 50 anos da comemoração do Dia Internacional do Alfabetismo, que hoje se assinala.

Os dados são da UNESCO, que numa mensagem alusiva à data, considera que por 50 anos, o Dia Internacional da Alfabetização tem celebrado a alfabetização como uma forma de empoderamento para mulheres e homens, e para a sociedade como um todo.

Na sua mensagem, a directora-geral da UNESCO, Irina Bokova, refere-se a “grandes progressos” desde 1966, ano da proclamação desta efeméride, afirmando que apesar de a população mundial ter aumentado de forma substancial, a quantidade de jovens adultos sem habilidades de leitura e escrita foi reduzida em 25% entre 1990 e 2015.

“Têm havido movimentos que visam melhorar as oportunidades de alfabetização das mulheres – 43 países mostraram grandes melhorias em relação à paridade de género. O movimento mundial de Educação para Todos encabeçou muitas mudanças positivas”, elenca.

Porém, no entender da responsável da UNESCO, isso “não é o bastante”, por hoje existir ainda 758 milhões de adultos que não são capazes de ler ou escrever uma frase simples, sendo dois terços deles mulheres.

“Na periferia da aldeia global, essas pessoas não recebem nenhum dos benefícios da globalização e sofrem todos os seus custos. Essas mulheres e esses homens são mais vulneráveis a problemas de saúde, à exploração e a abusos de direitos humanos. Eles também são mais propensos ao desemprego e ao recebimento de salários mais baixos”, denuncia Irina Bokova.

Incapazes de ler ou escrever, acrescenta a fonte, essas pessoas não conseguem realizar seu potencial pleno, e comunidades inteiras permanecem presas em círculos viciosos de pobreza, os quais fornecem as condições para a violência e os conflitos.

Irina Bokova considera ainda que o analfabetismo continua a ser “sinónimo de exclusão e pobreza”, pelo que “urge reverter essa situação”.

Esta é a promessa da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, que estabelece uma nova visão mundial de prosperidade, sustentabilidade e paz em 17 Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – incluindo um objectivo específico de “garantir educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizado ao longo da vida para todos”.

“A alfabetização é essencial para o sucesso em todos os sentidos. Como um fundamento dos direitos humanos e da dignidade, a alfabetização é vital para a erradicação da pobreza, para a igualdade de género, e para sociedades mais inclusivas e sustentáveis”, defende.

É neste sentido, que a UNESCO lançou no dia 01 de Setembro deste ano a Aliança Global para a Alfabetização, para mobilizar investimentos e promover iniciativas inovadoras, com um enfoque de gênero e nas novas tecnologias de informação e comunicação (TIC).

“O mundo mudou desde 1966, mas a nossa determinação de fornecer a todas as mulheres e a todos os homens as habilidades, capacidades e oportunidades para que se tornem tudo o que desejarem, na dignidade e no respeito, permanece tão firme como sempre”, assegura.

A directora-geral da UNESCO conclui a sua mensagem, dizendo que a alfabetização é a base para a construção de um futuro mais sustentável para todos.

Neste 50º aniversário do Dia Internacional de Alfabetização, Irina Bokova vai conceder prêmios internacionais de alfabetização a cinco programas inovadores da Índia, do Senegal, da África do Sul, da Tailândia e do Vietnam.

Os prémios, a serem apresentados na cerimónia na sede da UNESCO, em Paris, são atribuídos a projectos alinhados ao tema “inovação” dos Prémios Internacionais de Alfabetização deste ano. Reconhecem o trabalho da alfabetização com grupos vulneráveis e marginalizados.

A nível nacional vêm sendo realizados durante esta semana uma série de actividades e as comemorações da Jornada Internacional de Alfabetização têm como lema “Ler o Passado, Escrever o Futuro”, baseado no pressuposto da necessidade de avaliar o percurso da alfabetização e traçar novas metas, novas estratégias para responder desafios do mundo actual.

O acto central da comemoração decorreu ontem nas instalações da Direção Nacional de Educação, em Achada Santo António, com abertura às 09:00, e presidida pela directora nacional de Educação, e conta com a presença de várias instituições convidadas, professores, formadores de educação de adultos, técnicos da DNE/ SAEA, parceiros, entre outros.

Fonte: Expresso das Ilhas/Portugal

 

IPOL Pesquisa
Receba o Boletim
Facebook
Revista Platô

Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo