Acervo de Lorenzo Dow Turner chega a Salvador

Coleção Lorenzo Dow Turner reúne diversas fotos - Foto: Divulgação

Coleção Lorenzo Dow Turner reúne diversas fotos – Foto: Divulgação

Acervo de Lorenzo Dow Turner chega a Salvador

Lorena Morgana

Após ficar em São Paulo de abril a agosto deste ano, chega a Salvador a exposição “Gullah, Bahia, África”. A abertura aconteceu dia 24/11, às 19 horas, no Palacete das Artes, e permanece até 31 de janeiro de 2016.

O acervo reúne mais de 100 fotografias e cerca de 18 horas de registros musicais e linguísticos feitos com nomes de grande referência do candomblé.

A exposição documenta parte da pesquisa desenvolvida por Lorenzo Dow Turner, primeiro linguista afro-estadunidense. O evento contará com a curadoria de Alcione Meira Amos, além da presença do cônsul dos EUA no Rio de Janeiro, James Story.

Especialmente para a Bahia, foram incluídas 50 peças relativas a candomblé do Museu Afro da Ufba, fotos e áudio de Martiniano Eliseu do Bomfim, famoso babalaô baiano entrevistado por Turner na sua visita até aqui. Esta parte da exposição contará com a cocuradoria de Murilo Ribeiro, diretor do Palacete das Artes.

Os Gullah
A pesquisa de Lorenzo Turner teve início quando ele descobriu, na década de 30, que negros da costa leste dos EUA (especificamente na Georgia e na Carolina do Sul) falavam um idioma híbrido, formado por trinta línguas africanas misturadas ao inglês.

À época, segundo Alcione Amos, Turner não sabia, mas, na verdade, estava lidando com uma língua crioula. “Ele viu dois estudantes falando esse idioma diferente e ficou curioso. Ao contrário de outros professores, não achava que aquilo fosse um inglês mal-falado. Era uma língua distinta, com uma cadência diferenciada”, conta a curadora da exposição.

Os estudantes eram dos povos Gullah, que falam a língua crioula de base inglesa com fortes influências da África Ocidental e Central na costa leste estadunidense.

África na Bahia
O que trouxe Turner ao Brasil e, especificamente, à Bahia, foi o fato de o país haver recebido mais africanos escravizados que os EUA. “Se para lá foram aproximadamente 650 mil, para cá, o número ultrapassou 4 milhões”, estima Alcione Amos.

O segundo fato é que muitas línguas africanas ainda eram faladas aqui na Bahia, nos terreiros de candomblé. “Ele ainda não sabia o motivo, mas sabia que havia essa sobrevivência das línguas e cultura africana no estado. Ao chegar aqui, ele acabou descobrindo a África na Bahia”, explica a curadora.

Programação Paralela
Na quarta-feira, 25, às 17 horas, no Palacete das Artes, houve também a palestra “A Coleção Fotográfica de Lorenzo Dow Turner: Gullah, Bahia, África”, na qual Alcione Amos falou sobre a coleção fotográfica do Dr. Turner.

Fonte: A Tarde – Salvador, BA

Facebook
Visite site Oficial
1ºENMP (clique na imagem)
Receba o Boletim
Visite nossos blogs
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Nossas publicações
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Clique na imagem
Visitantes
Arquivo